Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br
Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br

'São Januário é o caldeirão, mas Maracanã também é a casa do Vasco', diz Castán

Equipe cruzmaltina enfrenta o Resende na quarta-feira, pela semifinal da Taça Guanabara

Redação, Estadão Conteúdo

11 Fevereiro 2019 | 20h00

O zagueiro Leandro Castán valorizou nesta segunda-feira o local da partida do Vasco contra o Resende, na quarta-feira, pela semifinal da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca. Para o defensor, o tradicional estádio carioca "também é a casa do Vasco".

"O estádio de São Januário é o caldeirão, mas quem não quer jogar no Maracanã? Não sei o que dizer. O Maracanã também é a casa do Vasco. Sempre quando criança via o Vasco ganhando títulos no Maracanã", comentou o jogador, ao minimizar o fato de o time cruzmaltino não atuar em casa.

No Maracanã, o time de São Januário terá a vantagem de jogar por um empate para avançar à decisão do primeiro turno. Mas Castán descartou jogar preocupado com isso. "Não podemos entrar em campo pensando nisso. Vamos entrar sempre respeitando o Resende. A gente pode usar a vantagem, que é boa. Mas vamos buscar a vitória."

O zagueiro pregou respeito ao adversário, que não era cotado como favorito para estar entre os quatro melhores da Taça Guanabara. "O Resende vem fazendo um grande campeonato e respeitamos muito. Sabemos que, para chegar a uma final, vamos ter que jogar muito. É uma equipe organizada e que joga com rapidez no ataque, se defende bem e sai muito forte no contra-ataque."

TRAGÉDIA 

Castán foi questionado na entrevista coletiva sobre a eventual presença de Werley em campo. De luto, o companheiro de time perdeu um primo, Pablo Henrique, no incêndio que atingiu o CT do Flamengo na sexta-feira. Ao todo, morreram dez jogadores da base do clube da Gávea.

Segundo Castán, o jogador não revelou se jogará nesta quarta. "Tivemos juntos na adolescência [na base do Atlético-MG]. É uma situação complicada. Werley é um cara sensacional, uma pessoa espetacular e vamos dar muita força para ele. O Brasil inteiro sentiu isso. Primeira coisa que falei é que vamos jogar pelo primo dele", declarou o zagueiro.

Nos últimos dias, Werley foi liberado pelo clube de São Januário para acompanhar o enterro do primo. Nesta segunda, foram enterradas as últimas cinco vítimas identificadas pelo Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Vascofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.