São José: rebaixado e abandonado

Um clube abandonado. É esta a situação do São José, um dia após o rebaixamento para a Série A3 do Campeonato Paulista. Nenhum dirigente do time ou da empresa Leiman, que cuida do futebol, apareceram nesta segunda-feira no clube e tampouco foram encontrados. A reapresentação do elenco nesta segunda-feira foi cancelada. Alguns jogadores, ligados a empresários, podem sair antes da partida com a Matonense pela última rodada. Entre os jogadores, o discurso era o mesmo após a derrota por 4 a 3 para o Flamengo, no domingo. Tristeza geral por entrar para a história do clube pelas portas do fundo. Quanto ao futuro do time, outra incógnita: a empresa Leiman assumiu o futebol do clube este ano e já de cara rebaixou o time. O contrato tem duração de cinco anos e a idéia da empresa, pelo menos quando fechou o contrato, era de renová-lo por mais cinco anos. Agora, com o rebaixamento, alguns ex-dirigentes do São José já estariam dispostos a assumir o time para tentar reerguê-lo. Esta é a terceira vez em toda a história que o clube chegou tão fundo. Apenas nos anos de 57 e 65 o time disputou a terceira divisão. Já na elite, foram 12 campanhas, incluindo a de 1989, quando perdeu na final para o São Paulo. Nesta quarta-feira, às 15 horas, Bragantino e Flamengo jogam pela oitava rodada. A partida era para ter sido disputada no dia 6 de março, mas foi adiada por causa das fortes chuvas. O jogo acontecerá no Estádio Nicolau Alayon, em São Paulo, uma vez que Marcelo Stéfani, do Bragantino, continua interditado pelo Ministério Público. O Flamengo briga por uma das duas vagas que ainda restam no Grupo 2 e se vencer garante a classificação. O time é o quarto colocado, com 22 pontos. O Bragantino, com nove pontos, já não tem mais chances.

Agencia Estado,

29 de março de 2004 | 18h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.