Renan Cacioli/Estadão
Renan Cacioli/Estadão

São Marcos vê Palmeiras criar 'modelo' de gestão a ser copiado

'Se os outros não seguirem, vão ficar para trás', afirma ídolo do clube, que comemorou o deca no Allianz

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2018 | 20h43

Com a voz rouca, segundo o próprio, por estar comemorando "há uma semana", o ex-goleiro Marcos esteve neste domingo no Allianz Parque para acompanhar o triunfo por 3 a 2 sobre o Vitória e a festa do décimo título brasileiro da história do clube. Questionado se o Palmeiras poderia criar uma dinastia nos próximos anos, o ídolo alviverde falou em "modelo a ser seguido" e fez um alerta aos rivais. 

"Acho que pode criar um modelo, como se tem na Europa. Um patrocinador que, junto com o clube, faz tudo para que ele seja grande. Então, acho que cria um modelo que, se os outros não seguirem, vão ficar para trás. Claro que no futebol, nem sempre o melhor ganha, o mais arrumado. Mas acredito que faz muita diferença", disse São Marcos, ao Estado.

"Acho legal, principalmente essa profissionalização. A grande história do Palmeiras é de títulos, mas se pensarmos que há quatro anos estávamos brigando pra não cair, e agora estamos ganhando dois Brasileiros praticamente seguidos, mais uma Copa do Brasil. A gente fica feliz em ver como o clube evoluiu não só no estádio, como na Academia de Futebol. Eu, como torcedor, estou muito feliz. Quando o time está assim, a gente sempre espera alguma coisa a mais. Então, acredito que esse passado horrível de anos atrás não deve aparecer mais aqui não", disse o ex-jogador, que disputou e conquistou uma Série B pelo Palmeiras, em 2003.

Perguntado se ainda acompanhava as partidas do time do coração, Marcos utilizou o bom e velho senso de humor na resposta: "Vejo todos os jogos, mas para ser bem sincero, prefiro ver de casa, moro aqui do lado. Para chegar aqui, precisa chegar duas horas antes. Acaba o jogo, espera duas horas para voltar. Então eu prefiro assistir em casa, no sofá, comendo uma pipoquinha e tomando uma cervejinha", brincou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.