São-paulino não recomenda viagem

O presidente do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa, irrita-se ao falar de clima de guerra na Argentina. Em suas palavras procura, a todo momento, passar que o duelo desta quarta-feira, em Buenos Aires, diante do River Plate, será apenas um outro jogo qualquer. Mas... ?Não recomendo, nem peço para a torcida ir à Argentina,? adverte.Torcida à parte, a estratégia é deixar o time tranqüilo. ?A expectativa é que tudo corra bem, tanto que não faremos nada de diferente, não estamos tomando nenhum cuidado especial. Serão nossos mesmos dois seguranças e as mesmas pessoas na delegação,? diz. ?E de que adianta 20 seguranças se não tivermos apoio da polícia e autoridades locais??, adverte.Na verdade, o clube terá sim, reforço de seguranças particulares na Argentina e escolta do Aeroporto de Ezeiza até o hotel e também para o estádio Monumental de Nuñez. A delegação, que ficaria hospedada no Intercontinental, no centro de Buenos Aires, ficará no Hilton, mais afastado. ?Não é conveniente não ter sossego?, justifica Gouvêa.Nesta segunda-feira, o dirigente deu verdadeira aula de jogo de cintura. Como bom meia armador, soube driblar todas as polêmicas e, de quebra, passou para a Conmebol, a responsabilidade por qualquer incidente antes, durante e após o confronto semifinal. ?Eles são os responsáveis pelo jogo e, tenho certeza, nos darão total segurança. Inclusive mandaram cartas aos clubes, manifestando estarem preocupados. Ficarão de olho,? acredita.E, quem diria, Gouvêa revelou ser a arbitragem seu maior temor. Ficou indignado com o uruguaio Gustavo Méndez no primeiro duelo. O chileno Rubén Selman apita nesta quarta. ?Fizemos protesto com a arbitragem do primeiro jogo. Amanhã, o juiz será observado com carinho.?Nesta segunda, no meio do rachão, o dirigente trocou rápidas palavras com o zagueiro uruguaio Lugano, que estaria sendo interessado por muitos clubes europeus. Justificou ser papo de amigos e que a chance de uma transferëncia hoje é 0. ?Não tenho nenhuma proposta escrita em minha mesa.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.