São-paulinos admitem que atitude fez a diferença

A vitória por 2 a 0 sobre o Náutico, neste sábado, colocou fim a um jejum que já durava quatro partidas. Mas, para os jogadores do São Paulo, o resultado significou muito mais que isso. Além da confiança que, aos poucos, retorna, os atletas observaram uma mudança no comportamento da equipe. E dizem que é preciso tempo para que o time se encaixe no novo esquema de Ricardo Gomes.

GABRIEL NAVAJAS, Agencia Estado

27 de junho de 2009 | 21h49

"Nossa maior mudança foi a atitude da equipe", disse o lateral-esquerdo Junior Cesar. "Tivemos algumas mudanças, mas só com o tempo que vamos assimilar tudo e melhorar", completou o goleiro Denis.

Richarlyson estava feliz com o seu novo posicionamento em campo. Na verdade, um lugar que ele conhece muito bem e onde realmente gosta de jogar, o meio de campo. "É onde realmente me sinto melhor. Posso marcar, mas também chegar ao ataque", explicou o jogador, que também fez questão de mostrar a mudança de postura. "Nossa maior mudança foi a atitude. Buscamos, lutamos..."

Autor do primeiro gol neste sábado, o primeiro com a camisa do São Paulo, o zagueiro Jean Rolt acredita que, a partir de agora, o time tem mais tranquilidade para trabalhar. "O gol foi bom para a nossa vitória, acima de qualquer coisa, para termos felicidade no dia a dia. Agora temos de treinar para nos adaptarmos ao novo esquema. O São Paulo jogada no 3-5-2 há três anos. Agora é tempo para mudarmos".

NO ESTÁDIO - O goleiro Rogério Ceni esteve no Morumbi neste sábado e lamentou a saída do técnico Muricy Ramalho, que estava no clube havia três anos e meio. O goleiro e líder são-paulino, porém, sabe que tudo isso faz parte do futebol.

"A gente fica triste, mas a vida é assim", comentou Ceni, que elogiou o novo comandante. "Tive pouco contato com ele, mas tem uma postura ótima, tudo para dar certo. A torcida é para que tenha todo o sucesso".

Sobre a recuperação, Ceni prefere não fazer nenhum tipo de previsão de volta. Na sexta-feira, ele esteve no campo pela primeira vez após a fratura no tornozelo esquerdo. "Tenho trabalhado todos os dias, mas hoje (sábado) eu ainda não posso dizer a data (de retorno), fazer uma projeção. O acabamento que ainda falta pode demorar 15, 20, 30 dias. Uma coisa é eu voltar a correr, trabalhar sozinho. Outra é treinar com bola".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.