São-paulinos farão caravana para Mogi

A derrota para Portuguesa na quinta-feira não abalou os torcedores são-paulinos, que prometem muita festa para o jogo de domingo contra o Santos, em Mogi Mirim. A Torcida Independente alugou 50 ônibus e a procura por passagens para sócios e não-sócios estava grande nesta sexta-feira à tarde. "A mobilização aqui na sede é total. Vamos para Mogi fazer uma festa digna de final de campeonato mesmo. Vamos levar tudo o que a polícia autorizar, sinalizadores, fumaça...", avisou Marcos Lopes, o Kinho, diretor de marketing da Independente.A torcida só não poderá levar fogos de artifício, uma vez que um depósito foi incendiado no Morumbi após o jogo contra o Corinthians e por isso a Polícia Militar proibiu o uso de fogos.Outros dez ônibus, pelo menos, partirão das subsedes da Independente: ABC, Santos, Sorocaba, Campinas, São José do Rio Preto e Ribeirão Preto.A Dragões da Real, outra das organizadas do São Paulo, fechou por enquanto um ônibus para levar seus associados. Isso porque muitos torcedores vão de carro ao Interior. "Não queríamos correr o risco de alugar mais ônibus e não enchê-los. Por isso, a gente vai solicitar outros ônibus se houver mais procura", explicou Ernani Rodrigues de Souza, presidente da Dragões.Nesta sexta à tarde, a procura por passagens foi grande. Os bilhetes para não-sócios custam R$ 30 e para sócios, R$ 20. Na Independente, o preço é mais salgado. Sócios pagam R$ 25 e não-sócios, 35.As sedes estarão abertas neste sábado das 10h às 16h para venda de passagens. Os ônibus das duas torcidas partiram no domingo, às 10h, do Largo do Paissandu. "No último jogo o time pecou pela ansiedade, criou muita expectativa, mas não entregou o jogo. O título está bem próximo", disse Kinho.A Polícia Militar de Mogi-Guaçu montou um esquema de segurança jamais visto no interior de São Paulo: 300 homens trabalharão no clássico, dentro e fora do estádio.Segundo o major Getúlio Aparecido de Macedo, do 26º Batalhão de Mogi-Guaçu, o efetivo policial é o ideal para um grande jogo."É um jogo diferente dos nossos. Ficaremos mais atentos nas dependências externas do estádio. Mas não estamos preocupados, porque não haverá venda de ingressos no dia do jogo. Será difícil haver alguma confusão nas ruas", prevê o major.Ainda de acordo com a PM, a cidade nunca assistiu a cenas de violências em dias de jogos. "Com esse histórico de segurança, será difícil ter briga entre as torcidas. Todos poderão assistir ao jogo com tranqüilidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.