São-paulinos foram detidos na Zona Sul

O clássico entre São Paulo e Corinthians, no Morumbi, na última segunda-feira, foi pacífico. Nenhuma confusão antes e depois do jogo ao redor do estádio. Mas 54 integrantes da torcida Independente do ABC não deixaram a noite passar em branco e causaram muito tumulto a 15 quilômetros dali: por volta da meia-noite, os torcedores que voltavam do Morumbi em ônibus fretado, com destino a São Bernardo, passaram pelo Habib?s da Avenida Cupecê, no Jardim Miriam, e avistaram três corintianos, com a camisa do clube, jantando com duas garotas. Os são-paulinos desceram do ônibus e invadiram a lanchonete, ameaçando os torcedores adversários. Houve quebra-quebra geral. Segundo Aécio Álvares, de 30 anos, gerente do Habib?s, os torcedores entraram na loja gritando e apavorando os clientes. Arremessaram cadeiras e mesas, quebrando muitos pratos e copos. Uma geladeira teve a tampa de vidro quebrada. O prejuízo não parou por aí. Cerca de 50 clientes, em desespero, acabaram saindo sem pagar a conta. ?Quando vi a confusão fiquei assustado, mas não tive alternativa: entrei na frente dos torcedores para tentar evitar uma briga maior. O segurança da loja me ajudou a convencê-los a parar com a confusão. O principal argumento foi lembrar que o lugar que estavam destruindo patrocina o time deles?, contou Aécio. Enquanto o gerente acalmava os são-paulinos, os corintianos ficaram escondidos na cozinha do restaurante. Aécio afirmou ainda que um de seus garçons viu um deles sacar uma arma, ameaçando atirar. ?Meu funcionário também foi conversar com esse torcedor e o convenceu de que seria pior se atirasse contra um bando de homens furiosos. Os corintianos queriam sair pela porta dos fundos, mas ao mesmo tempo estavam com muito medo?. A conversa com os são-paulinos baderneiros durou cerca de dez minutos, até que voltaram para o ônibus. Assim que os baderneiros saíram, o gerente do local, que funciona 24 horas, fechou as portas, que só seriam reabertas depois. Um dos funcionários do Habib?s já tinha avisado a Polícia Militar, que chegou a tempo de interceptar o ônibus, que seguia para o ABC. Os policiais pediram reforços a viaturas que estavam pela região, já trabalhando na segurança do jogo. A PM cercou a Avenida Cupecê e fez uma barreira de viaturas, fechando a passagem para Diadema. Detidos, os 54 torcedores que provocaram o quebra-quebra no Habib?s foram levados à delegacia ? 98.º DP ? , onde foram revistados e assinaram uma acusação. De acordo com Valter Bassoli Carvalho, delegado que está cuidando do caso, apenas quatro torcedores foram reconhecidos e apontados como participantes da confusão por alguns funcionários do Habib?s. ?Contra os reconhecidos foi montado um termo circunstanciado, que os responsabiliza pelos danos no restaurante. Esse termo deve ser julgado e analisado judicialmente?, informou. Os outros torcedores foram dispensados no início da manhã desta terça, ao fim do processo de reconhecimento.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2005 | 18h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.