São-paulinos magoados com a imprensa

Os jogadores do São Paulo recusaram-se a dar entrevistas após a vitória de hoje. A explicação para o ato foi dada pela assessoria de imprensa do clube. Eles estariam magoados com o tipo de cobertura que está sendo feito. Paulo Autuori e Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol confirmaram o motivo. Não foi o que ficou claro, baseado no esclarecimento dos atletas. "Pediram para que a gente não falasse hoje", disse Rogério Ceni, capitão do time. "Instruíram a gente para não dar entrevista", disse Grafite, rapidamente. Ao usarem expressões como "falaram" ou "fomos instruídos", fica no ar a impressão que a decisão não foi dos atletas. Teria vindo da diretoria. O que é desmentido. "Nós não temos nada com isso. Eles resolveram não falar e pronto. Foi uma decisão dos jogadores. E eu não concordo com ela", afirmou João Paulo de Jesus Lopes, diretor de planejamento. "Esta decisão reflete um sentimento de espírito, que eu respeito e apoio, apesar de não concordar com a decisão deles", afirmou Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol. "Foi um protesto dos jogadores. Eles tomaram a decisão algumas horas antes do jogo. Eu não aprovo. Se estão descontentes, a melhor forma de resolver é com diálogo", disse Paulo Autuori. A decisão de não falar veio após alguns dias tumultuados. Os jogadores acham que o destaque dado a questão de premiação, pelo titulo, que está sendo discutida, é muito grande. Como também a questão de Amoroso, que irritou o presidente Marcelo Portugal Gouvea, ao anunciar que o pré-contrato que assinou com o FC Tóquio tem uma cláusula que permite multa de US$ 500 mil a quem rompê-lo. No dia anterior, com a cópia de uma matéria, Paulo Autuori já havia questionado um repórter, dizendo que havia ilações a seu respeito. O ponto que mais o irritou foi o que dizia que ele havia ficado irritado com Marcelo Portugal Gouvea porque não havia renovado o contrato de Amoroso, logo após o final da Libertadores, em 14 de julho, quando o jogador pressionou a diretoria. Ainda hoje, em São Paulo, os assessores de imprensa de Amoroso distribuiriam uma nota em que o jogador diz que, se o São Paulo fizer um contrato de três anos com ele, não terá que pagar multa nenhuma ao FC Tóquio. Ele resolveria o problema. Amanhã, os jogadores voltam a dar entrevistas, após um treino leve no hotel. A seguir, iriam para Yokohama, assistir ao jogo entre Saprissa e Liverpool.

Agencia Estado,

14 de dezembro de 2005 | 16h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.