São-paulinos reclamam da diretoria

Nem doze cansativas horas de estrada diminuíram a animação dos torcedores do São Paulo que vieram a Porto Alegre para apoiar o time na final da Taça Libertadores, contra o Atlético-PR. Mas sobraram reclamações contra a diretoria do clube. Os protestos eram um só: a tumultuada venda de ingressos para o segundo jogo da decisão, na próxima quarta-feira, no Morumbi. "A diretoria do São Paulo desrespeitou os torcedores, muitas pessoas ficaram nove horas na fila e ainda foram empurrados pela Polícia", disse Mauro Kobaiashi, da Torcida Dragões da Real. "Mas pode ter certeza: mesmo que o time seja campeão, não vamos esquecer isso nas eleições presidenciais, em abril", ameaçou. Kobaiashi saiu de São Paulo na noite de terça-feira acompanhado de cinco amigos. Apesar da distância, o grupo resolveu assistir à decisão.Enfrentaram quase doze horas apertados dentro do carro. "Não importa. Iríamos torcer pelo São Paulo nem que o jogo fosse no Uruguai", afirmou Angelo Leonardo Marinho dos Santos, da Torcida Independente. "Contra o River, a gente estava em Buenos Aires, levando pedradas dos argentinos." No caminho para o Rio Grande do Sul, os seis torcedores encontraram diversos carros pela estrada e apostavam que, apesar da superioridade da torcida adversária, os são-paulinos fariam barulho no Beira-Rio. "Os torcedores do Atlético vieram em número bem maior porque a diretoria cedeu ônibus para que eles viessem", arriscou Kobaiashi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.