São-paulinos tentam conter euforia

Para perder o título paulista, o São Paulo, invicto há 13 jogos, teria de perder três das seis partidas restantes. Mesmo diante de um argumento deste, os jogadores não falam como campeões. ?Não podemos dar brecha para acontecer o que ninguém acredita que possa acontecer. Não podemos perder o título e o único jeito de evitar isso é continuarmos lutando como lutamos até agora?, diz o volante Renan, que participou de 11 dos 16 jogos na temporada.Marco Antônio, que pode conquistar seu segundo título estadual seguido ? venceu o Pernambucano do ano passado com o Náutico ? é outro que não fala em favoritismo.?Concordo que é difícil perder três jogos, mas não vamos esquecer que tem o Santos na Vila, o Mogi na casa deles, não são jogos fáceis. Não vou mudar meu jeito de jogar.?Os jogadores parecem ter bem claro que o conjunto do time e o ?espírito guerreiro? mostrados até agora são as grandes armas a serem preservadas.Marco Antônio explica: ?Aqui não tem estrela, não tem ninguém com privilégios. Todo mundo treina igual, todo mundo está com o objetivo de ser campeão. Se deu certo até agora, não vamos mudar.?Ele acha que o São Paulo conseguiu algo difícil em um time grande. ?Em times menores, é mais fácil o grupo de jogadores estar unido, ser mais amigo. Vivi isso no Náutico no ano passado, mas aqui no São Paulo é a mesma coisa. Nossa concentração é total.?Ele acha que a cobrança é maior em São Paulo. ?No Náutico eu era um ídolo, uma das estrelas do time, e aqui estou lutando ainda para ser titular. Também sou mais cobrado pela torcida e pelos companheiros. Acho isso muito bom e vou me esforçando para conseguir meu lugar no time. Quero muito este título, como todo mundo aqui.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.