São Paulo: A crise é problema deles

Crise? Que Crise? Essa é a reação do goleiro Rogério Ceni, do São Paulo, quando lhe pedem para opinar sobre os turbulentos dias por que passa o Corinthians. Rogério tem uma convicção: independentemente dos problemas do rival, a partida de domingo vai ser bem dura. "Não vejo crise do outro lado e sim uma equipe que foi eliminada de uma competição. No Brasileiro, tem como se recuperar. Mas não vamos nos envolver nos problemas dos outros.?Para justificar sua certeza de que a partida vai ser bastante disputada e difícil, o goleiro se escora nos "antecedentes?. "Jogos entre São Paulo e Corinthians sempre são apertados.?Rogério discorda de uma opinião de Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol, para quem uma derrota no clássico terá para o São Paulo conseqüências menos nefastas do que para o Corinthians. "Para nós, a vitória é necessária para não deixarmos os primeiros se distanciarem na classificação. O São Paulo precisa sair dessa incômoda colocação (14.º lugar) em que se encontra.?O técnico Paulo Autuori, que vai estrear no comando do São Paulo amanhã, também prefere não perder tempo analisando a crise corintiana. "Eu não me preocupo com ninguém, a não ser comigo mesmo. O que se passa lá não tem nada a ver com a gente.?Repetindo a todo momento que seu principal objetivo é ter uma equipe equilibrada em campo, Autuori descartou determinar uma marcação individual sobre Tevez, mesmo reconhecendo que o argentino está entre os melhores jogadores sul-americanos. "Não vou perder um jogador para fazer marcação individual em outro. Futebol é para se jogar.?Esta é a filosofia de Autuori, segundo o próprio treinador. Ele revelou outros conceitos, que pretende ver em prática - e também nos jogos que virão. Quer o São Paulo fazendo pressão sobre o adversário, não apenas na saída de bola, pediu ao jogadores bastante movimentação e não quer saber de volantes e laterais saindo para o ataque ao mesmo tempo. Autuori também quer que Luizão seja "referência? na área. "É preciso organização e equilíbrio. A equipe que for mais equilibrada certamente vai ter vantagem.?Autuori não pretende fazer mudanças radicais na equipe montada por Leão, mas aos poucos vai "dar a sua cara? ao São Paulo. "O time tem muitas coisas positivas e vamos aproveitá-las ao máximo.?O São Paulo tem apenas um ponto em duas partidas no Brasileiro e o treinador considera o jogo de amanhã o momento ideal "para o grupo mostrar poder de reação?. "E vitória sempre traz tranqüilidade. Já derrota, traz confusão. Uma vitória vai facilitar demais em termos de futuro?, entende o técnico.Ingressos - Dos 32 mil ingressos colocados à venda para o clássico, 13.400 haviam sido adquiridos pelos torcedores até o início da noite desta sexta-feira. Neste sábado as bilheterias do Pacaembu, Parque São Jorge e Morumbi estarão abertas das 9 às 17 horas. No domingo, das 9 às 15 horas nos mesmos locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.