São Paulo abastece time brasileiros

O São Paulo está se transformando, neste início de temporada, num dos grandes fornecedores de jogadores para equipes de todo o Brasil. O celular do superintendente Marco Aurélio Cunha e do diretor Juvenal Juvêncio não pára de tocar. A maioria das ligações é de dirigentes - do Pará, do Recife, do interior - em busca de reforços. Como o clube paulista ficou com elenco numeroso após as seis contratações feitas no fim do ano, aceitou liberar vários de seus atletas. O atacante Márcio Luiz, por exemplo, não foi aproveitado em 2003 e, por isso, acabou acertando com o Sport. Rico também recebeu o aval para negociar com o Paysandu, que chega a lhe oferecer R$ 15 mil mensais, mais do que ganha no Morumbi. Seu procurador, Luiz Taveira, não sabe, no entanto, se será uma boa a transferência para o Pará. Mas é provável que a transação seja efetuada. Zetti, técnico do Paulista, de Jundiaí, pediu ao São Paulo a liberação do goleiro Márcio, de 22 anos, para defender sua equipe no Campeonato Paulista. O jogador, de acordo com os são-paulinos, tem grande futuro, mas precisa ganhar experiência. Atuando em Jundiaí, será titular, poderá evoluir e, assim, voltar à capital em condições ainda melhores. Outros dois jovens, Thiago, lateral-direito, e Gallo, volante, também jogarão no time de Zetti. O Fluminense levou Leonardo Moura, que, no entanto, não deverá mais voltar para o Morumbi. O zagueiro Júlio Santos, o volante Alexandre e o meia Aílton ainda não têm o futuro definido, mas é provável que sejam emprestados. A idéia do técnico Cuca é trabalhar com aproximadamente 23 jogadores. O grupo, com os reforços, terminou o ano com mais de 30. O treinador está bem servido, pelo menos em quantidade, em todas as posições, embora ainda pense num volante e num atacante.

Agencia Estado,

08 de janeiro de 2004 | 19h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.