AFP
AFP

São Paulo acerta venda de Ganso ao Sevilla, da Espanha

Vontade do jogador em se transferir para a Europa foi decisiva

Ciro Campos e Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2016 | 14h03

Agora é oficial: o meia Paulo Henrique Ganso não é mais jogador do São Paulo. No início da tarde deste sábado, a venda do jogador ao Sevilla, da Espanha, foi sacramentada. A vontade do atleta de 26 anos de se transferir para a Europa acabou sendo decisiva para o desfecho positivo da negociação entre os dois clubes.

Ainda nesta sexta-feira, o São Paulo e a DIS, que dividiam o passe de Ganso, acertaram as frações da venda e, neste sábado, coube aos empresários de Ganso acertarem os últimos detalhes do contrato com o Sevilla. No total, o clube espanhol pagará 9,5 milhões de euros (aproximadamente R$ 34,3 milhões). Ficou decidido que São Paulo e DIS receberão, cada um 4,5 milhões de euros (R$ 16,3 milhões), mas o grupo de investidores ainda tem direito a 20% de uma futura venda do meia. Os 500 mil euros restantes seriam, por contrato, do próprio jogador, mas Ganso optou por abrir mão do valor pela vontade de atuar no Velho Continente. Ainda não foi definida uma divisão para esta quantia.

"O São Paulo não tem como negar sua tristeza pela perda de um jogador com tanta qualidade e que tanto fez pelas nossas cores. Atendemos a um sonho dele de fazer essa etapa mais madura da sua vida profissional na Europa e não poderia deixar de aceitar esse pedido de quem sempre nos foi leal e profissional. O Paulo Henrique sempre honrou nossa camisa e desejamos muita sorte para ele nossa nova etapa", afirmou o presidente Carlos Augusto Barros e Silva ao site oficial do clube.

Ganso se despede do São Paulo após cinco temporadas. O meia chegou ao Morumbi em 2012, após uma negociação tumultuada envolvendo o São Paulo, o rival Santos e o grupo de investidores DIS. Sua estreia aconteceu em 18 de novembro daquele ano, contra o Náutico, no Morumbi, partida em que o time da casa venceu, de virada, por 2 a 1. Sua última partida pelo clube foi em 29 de junho de 2016, em triunfo sobre o Fluminense, também por 2 a 1. Na ocasião, Ganso sentiu um estiramento na coxa e acabou ficando de fora das semifinais da Copa Libertadores.

A propensão a lesões, inclusive, era considerada um grande obstáculo para Ganso desempenhar o futebol que jogou no Santos até sua transferência em 2012. No Morumbi, porém, o meia superou o 'trauma': desde então, foi o atleta que mais atuou pelo São Paulo. Sua relação com a torcida durante estes quatro anos foi de altos e baixos. O 'Maestro', como foi apelidado, porém, se despede do clube em alta.

“Gostaria de agradecer ao São Paulo por tudo que representou em minha vida. O clube ficará marcado para sempre no meu coração. Agradeço especialmente ao presidente Leco por ter entendido o meu desejo profissional. Acredito que esse seja o momento ideal para encarar o desafio de jogar na Europa”, afirmou Ganso em sua última entrevista ao site oficial do São Paulo.

"Sempre foi uma honra poder vestir a camisa do clube e desfrutar de momentos maravilhosos. Não posso deixar de citar os torcedores pelo carinho demonstrado desde a minha chegada e durante esses quatro anos. Deixo as portas abertas para quem sabe um dia voltar", finalizou. Ganso deixa o São Paulo com 221 jogos disputados, 24 gols, 49 assistências e o título da Copa Sul-Americana de 2012. Nos próximos dias, o meia deve se juntar à equipe espanhola em Orlando, nos Estados Unidos, onde os atuais bicampeões da Liga Europa realizam pré-temporada.

Paulo Henrique Ganso chega ao Sevilla com a responsabilidade de substituir o argentino Éver Banega, que foi para a Inter de Milão. Recentemente, o clube da Andalucía também perdeu seu técnico, Unai Emery, para o Paris Saint Germain, abrindo espaço para a chegada de Jorge Sampaoli, ex-seleção chilena. Sampaoli, aliás, foi quem pediu a contratação de Ganso, por ser fã do futebol do meia desde os tempos em que treinava a Universidad de Chile.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.