Reprodução
Reprodução

São Paulo aciona STJD para tentar anular jogo contra o Atlético-MG

Chefe de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba admitiu que VAR errou e prejudicou equipe tricolor neste jogo

Redação, Estadão Conteúdo

19 de outubro de 2020 | 22h12

A diretoria do São Paulo acionou o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), nesta segunda-feira, para pedir a anulação da partida contra o Atlético-MG. Na partida, válida pela 7ª rodada, a equipe mineira venceu por 3 a 0, no Mineirão, no dia 3 de setembro. O clube paulista argumenta que houve "erro de direito" na anulação do gol, via árbitro de vídeo (VAR), marcado por Luciano.

O pedido de anulação, e consequente remarcação da partida, foi feito através de uma Medida Inominada, encaminhada ao presidente do STJD, Otávio Noronha. No documento, o São Paulo também pede o afastamento definitivo dos árbitros Rafael Traci, José Washington da Silva, Michael Stanislau, Mikael Silva de Araújo, Igor Luciano Amaral Miranda e Hilton Moutinho Rodrigues das futuras partidas do clube.

A Medida Inominada tem como base a entrevista concedida por Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, na semana passada. Ao canal SporTV, ele admitiu que o VAR foi utilizado de forma equivocada naquela partida.

O polêmico lance aconteceu no primeiro tempo. Luciano abriu o placar, mas o árbitro de vídeo anotou impedimento, contestado pelo São Paulo. Após a anulação do gol, o time paulista caiu de rendimento na partida e o Atlético aproveitou para anotar seus gols e vencer o confronto.

"Não se trata aqui de mero erro factual, pois o árbitro assistente vídeo conhecia a regra e marcou o ponto correto do corpo do atleta do Atlético Mineiro. No entanto, na hora de marcar o ponto no corpo do atleta do São Paulo Futebol Clube, foi aplicada outra regra, que diversa na utilizada no mesmo lance e daquela determinada pelo protocolo do VAR. Há, na verdade, uma deliberada opção do árbitro de vídeo utilizar critério de apuração da distância do atleta de forma contrária a regra, marcando posição no braço do atleta do São Paulo, de forma contrário ao determinado", argumenta o São Paulo.

"Em outras palavras, em um mesmo lance, o árbitro de vídeo utilizou da regra do jogo na marcação do ponto do corpo do atleta de uma equipe e não se utilizou na marcação para o atleta da outra equipe, havendo um evidente desequilíbrio esportivo na decisão e um erro de direito."

Na mesma Medida Inominada, o clube paulista pede que Gaciba apresente esclarecimentos sobre o caso e que a CBF permita o acesso aos arquivos de áudio de vídeo da comunicação entre os árbitros, principalmente os responsáveis pelo VAR, daquela partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.