Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

São Paulo admite procura por superintendente de futebol

Após saída de Adalberto Baptista da diretoria de futebol, clube busca um nome para o cargo

FERNANDO FARO, Agência Estado

26 de julho de 2013 | 12h05

SÃO PAULO - Um dia depois da saída de Adalberto Baptista da diretoria de futebol, o São Paulo admite procurar um profissional remunerado no mercado para ocupar o posto de superintendente; um profissional que chegaria para ser mais próximo do elenco e assim suprir uma das mais graves falhas apontadas pelo elenco: a falta de diálogo entre diretoria e clube.

Adalberto era duramente criticado pelos jogadores por não saber tratar dos problemas internos, e agora o presidente Juvenal Juvêncio procura um profissional que fale a língua do grupo e ajude a resolver os conflitos. Pintado, ex-volante do clube, é um nome que agrada por sua ligação com o clube - foi campeão da Libertadores e Mundial em 1992.

"O que podemos fazer é contratar um superintendente, coisa que já tivemos. Obviamente ele precisaria preencher uma série de requisitos, entre eles ser são-paulino e ter trabalhado somente no São Paulo" disse o vice de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, que no momento acumula a diretoria de futebol. A declaração é uma alfinetada sutil a Marco Aurélio Cunha, pré-candidato às eleições de 2014 e que já ocupou o cargo entre 2002 e 2011. Ele é acusado pela principal organizada de não ser são-paulino.

Já o cargo de diretor de futebol será preenchido por um profissional de dentro do clube. Por questões estatutárias, a posição não pode ser remunerada e precisa ser ocupada por um voluntário. Juvenal ainda busca o nome para substituir seu antigo escudeiro, mas o fato é que o novo diretor terá muito menos poderes que o antecessor, que tinha virado braço direito do presidente.

DIRETORIA NEGA DEMISSÃO

Jesus Lopes negou que Adalberto Baptista foi demitido por Juvenal, conforme o Estado publicou em sua edição impressa desta sexta-feira. "Isso é especulação e fiquei surpreso de onde partiu. O Adalberto pediu desligamento e será uma perda importante porque tem excelentes serviços prestados ao clube", rebateu.

O Estado, no entanto, mantém sua posição divulgada após conversas com diversas fontes ligadas ao clube e à diretoria. A reportagem tomou conhecimento da informação da demissão do diretor horas antes do comunicado oficial.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.