Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

São Paulo admite ter ameaçado pouco o Cruzeiro em derrota

Time leva virada no Mineirão e reconhece problemas na criação

O Estado de S. Paulo

08 Novembro 2015 | 19h52

A 10ª derrota como visitante no Campeonato Brasileiro dificultou a missão do São Paulo de buscar a vaga na Copa Libertadores e o time admitiu que o fraco poder ofensivo foi decisivo para perder por 2 a 1 para o Cruzeiro, neste domingo, no Mineirão. A equipe afirmou que por ter criado pouco, permitiu o domínio do adversário, que conseguiu o resultado de virada, no Mineirão.

"Criamos pouco. O Cruzeiro impôs um ritmo muito forte no primeiro tempo. Fizemos um ajuste no intervalo para ter um volume maior no segundo tempo, para criar mais chances e converter mais a gol", explicou o técnico Doriva na entrevista coletiva ao fim da partida. O São Paulo saiu na frente com Luis Fabiano, no primeiro tempo, sofreu o empate no minuto seguinte, com Willian, e a dez minutos do fim, Leandro Damião virou a partida.

Quando abriu o placar, aos 31 minutos do primeiro tempo, o São Paulo deu sua primeira finalização. No segundo tempo, mesmo com o empate naquele momento, o time ameaçou pouco e o goleiro Fábio não precisou trabalhar. "Temos que aproveitar as oportunidades. Infelizmente, saímos derrotados. Temos que levantar a cabeça, continuar trabalhando e sabemos que precisamos melhorar. Sendo realista, acho que o Cruzeiro teve mais oportunidades", afirmou o atacante Alan Kardec, que entrou no segundo tempo.

A equipe não perdia para o Cruzeiro em Minas Gerais pelo Brasileirão desde 2004. O tropeço permite a aproximação do Inter na luta por vaga na Libertadores e obriga o time a buscar a reação na próxima rodada, contra o Atlético-MG, no Morumbi. Antes disso, o São Paulo vai receber dois dias de folga e apenas vai se reapresentar na próxima quarta-feira no CT da Barra Funda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.