São Paulo, agora, atira para todo lado

A nova direção do São Paulo não estava preparada para a recusa do Corinthians em negociar o meia Ricardinho. Sem o jogador, os dirigentes ? que assumiram o comando do clube em maio ? ficaram órfãos. A certeza era tamanha que o pentacampeão corintiano iria para o Morumbi, que o diretor de Futebol Carlos Augusto de Barros e Silva nem se preocupou em pensar em um nome alternativo. Agora, atira para todos os lados. Até Fernando Diniz, meia do Fluminense, que em meio ao sonho para contratar Ricardinho era tratado com desdém, virou solução.?Só poderemos pensar no Fernando Diniz depois que terminar a participação do Fluminense na Copa dos Campeões. Mas é um jogador que nos interessa?, disse o dirigente.Fernando Diniz é uma indicação de Oswaldo de Oliveira, que foi seu treinador no Fluminense. Quando o São Paulo sonhava com Ricardinho, Barros e Silva não dava a menor importância para o futebol de Diniz. ?Se o Fernando Diniz for contratado, será apenas para completar o elenco. Queremos um meia de primeira linha, como o Ricardinho?, dizia.Ricardinho não foi o primeiro fracasso dos novos dirigentes são-paulinos. Antes, o clube tentou a contratação de dois argentinos: Riquelme, que era do Boca Juniors e foi comprado pelo Barcelona, e Romagnoli, do San Lorenzo. O clube mandou um representante à Argentina para tentar a compra de Riquelme. As negociações nem começaram. Foram encerradas assim que o procurador de Riquelme disse quanto o meia queria ganhar de salário para atuar no Brasil: US$ 500 mil.O interesse por Romagnoli não deu em nada porque o jogador recupera-se de uma contusão no joelho e só vai voltar a jogar no próximo ano. Cientes do desespero do São Paulo para contratar um camisa 10, representantes do meia sérvio Petkovic ofereceram o jogador ao clube nesta quinta-feira. Bem que Barros e Silva gostaria de fechar negócio, mas teve de dizer não. Primeiro, porque o São Paulo já possui dois jogadores estrangeiros no elenco ? o chileno Maldonado e o argentino Ameli ?, que é o número máximo que a legislação brasileira permite. Outro aspecto que inviabilizou o negócio é o alto salário que Petkovic quer ganhar: R$ 200 mil.Outro nome comentado no Morumbi é Sávio, eterno reserva do Real Madrid. Embora não seja meia e muito menos tenha as características de Ricardinho, o ex-atacante do Flamengo tem o aval de Barros e Silva. ?Ninguém me ofereceu o Sávio ainda, mas é um jogador que interessa. É um atacante que joga pela esquerda e poderia ser uma ótima opção ofensiva?, afirmou o dirigente.Ao contrário de Barros e Silva, que alardeava todos os dias o interesse por Ricardinho, o técnico Oswaldo de Oliveira preferiu a cautela. Nesta quinta-feira, saboreava com prazer a atitude comedida. ?É por isso que eu não gosto de comentar sobre jogadores que não estão no elenco. Se eu tivesse falado alguma coisa sobre o Ricardinho, com que cara eu iria ficar agora? Quando você fala de outro jogador, acaba sempre melindrando alguém no clube?, afirmou. O atacante Reinaldo, com uma contusão no joelho esquerdo, será submetido a uma ressonância magnética, nesta sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.