Twitter/ São Paulo Futebol Clube
Twitter/ São Paulo Futebol Clube

São Paulo alega que funcionário do clube foi vítima de racismo na Arena da Baixada

Clube registra boletim de ocorrência e afirma que torcedores relataram ataques nas arquibancadas e gestos que imitavam macacos; Athletico-PR ainda não se pronunciou sobre o caso

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2022 | 20h50

O São Paulo registrou um boletim de ocorrência, neste domingo, 31, alegando que um funcionário do clube que estava trabalhando no campo foi vítima de injúria racial durante o jogo contra o Athletico, na Arena da Baixada, em Curitiba. O time paranaense venceu por  1 a 0. 

No Boletim de Ocorrência, dirigentes do clube relatam que um torcedor do time paranaense proferiu ofensas, algumas em tom homofóbico, e teria chamado a vítima de “macaco de merda” logo após o pênalti defendido pelo goleiro Felipe Alves no início do segundo tempo. O clube não divulgou o nome do funcionário. Nas redes sociais, o São Paulo também afirma que torcedores relataram ataques nas arquibancadas e gestos que imitavam macacos. 

 

O Estadão apurou que um representante do Athletico encontrou imagens de xingamentos dos torcedores, mas nenhuma de cunho racial. O clube paranaense ainda não se manifestou de maneira oficial. 

Abaixo, a íntegra da nota divulgada pelo São Paulo: 

Lamentavelmente, episódios de racismo foram presenciados neste domingo, na Arena da Baixada. Um profissional do São Paulo FC, que estava trabalhando no campo, foi vítima de ataques racistas logo em seguida ao pênalti defendido pelo goleiro Felipe Alves. Ele vem recebendo o suporte do clube e já registrou Boletim de Ocorrência. Nas arquibancadas, torcedores também relataram ataques nojentos, vítimas de criminosos que simulavam gestos de macaco. É nosso dever denunciar. Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.