São Paulo antecipa a concentração

Um ditado diz que ?canja de galinha e precaução não fazem mal a ninguém". O São Paulo adotou o conselho da sabedoria popular e, depois de uma reunião na tarde desta segunda-feira, comissão técnica e jogadores decidiram adiantar a concentração para o jogo contra o São Raimundo e todos se reuniram a partir da noite. Em situações normais, o grupo se reuniria somente após o treino da tarde desta terça-feira. Segundo o técnico Oswaldo de Oliveira, o objetivo é evitar que os jogadores sejam ?contaminados" pelo clima da final do Campeonato Paulista contra o Corinthians e esqueçam a partida que, na verdade, é a mais importante do time no primeiro semestre. ?Todo mundo sabe que o objetivo principal do São Paulo é vencer a Copa do Brasil e conseguir uma vaga para a Libertadores", disse o meia Kaká, que nesta segunda-feira não treinou para fazer manutenção da recuperação de contusão na coxa. Mas, fora do Centro de Treinamento, é difícil separar as coisas. ?Enquanto vinha do Rio para São Paulo só conversaram comigo do jogo contra o Corinthians. Ninguém perguntou do jogo do São Raimundo", comentou Oswaldo de Oliveira. ?Quando a gente sai na rua só se fala do clássico", complementou o atacante Reinaldo. Os jogadores, porém, admitiram que um jogo influencia o outro e Kaká foi um dos primeiros a admitir. ?Já que um afeta o outro, que seja para o lado bom." O volante Fábio Simplício aprovou. ?É importante porque regula o descanso e a gente tem uma boa alimentação." Nesta segunda-feira, além de Kaká, os atacantes Reinaldo e Luís Fabiano não treinaram. O primeiro está gripado, e o segundo com dores no tendão de Aquiles do pé direito. Segundo o médico José Sanches, a princípio, os dois estão confirmados para o treino desta terça-feira. ?Mas se alguém reclamar de dores não hesitaremos em poupá-los." Defesa - Geralmente discreto, o zagueiro Régis saiu em defesa dos companheiros de posição, que são alvo constante de críticas da torcida. ?Acho que as coisas precisam ser vistas como um todo. Nós tomamos oito gols em dez jogos do Paulista enquanto o Corinthians tomou 12 e o Santos em seis jogos tomou nove." O jogador também afirmou que, ao contrário do que muitos pensam, os jogadores de defesa ficam aborrecidos quando tomam gol. ?Se a torcida fica louca quando o time toma dois gols como no jogo contra o Santo André, a gente mais ainda." Segundo o jogador, há momentos nos quais, por mais que se tente, não é possível evitar gols. ?Se isso fosse possível, a vida seria um mar de rosas, mas a gente sabe que na vida também temos espinhos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.