São Paulo arrasa Ponte Preta em estreia de Ceni como técnico no Morumbi

São Paulo arrasa Ponte Preta em estreia de Ceni como técnico no Morumbi

Lucas Pratto e Jucilei vão ao Morumbi e acompanham grande partida do atacante Gilberto

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2017 | 19h02

A vitória do São Paulo sobre a Ponte Preta por 5 a 2, neste domingo, foi uma tarde perfeita para mais de 50 mil pessoas que foram ao Morumbi ver a estreia de Rogério Ceni como treinador em casa.  A equipe teve uma bela exibição e mostrou força para virar o jogo e golear um dos rivais mais fortes do interior, recuperando-se da derrota para o Audax na primeira rodada do Campeonato Paulista. O atacante Gilberto fez três gols e Cueva teve grande atuação.

Antes da partida, o São Paulo apresentou oficialmente dois novos reforços: o volante Jucilei, que estava no Shandong Luneng, e o atacante Lucas Pratto, ex-Atlético Mineiro. Os dois foram até o centro do gramado e acenaram para os torcedores. A comemoração foi ainda maior quando Rogério Ceni entrou no gramado do Morumbi como pela primeira vez como treinador.

O JOGO

A partida foi quente e pegada desde o início. Quente e pegada significa que as faltas não foram leves, apenas para impedir o avanço do adversário. Foram divididas pesadas. Pottker pegou Junior Tavares; Cícero levou cartão amarelo por matar um contra-ataque da Ponte. O São Paulo apertou a saída de bola e teve uma atuação intensa. O único espaço que o time encontrou, no entanto, foi pelos lados do campo e, por isso, os laterais Bruno e Junior Tavares avançaram simultaneamente.

Muita posse de bola, quase 70% no primeiro tempo, mas poucas finalizações. A melhor chance  do São Paulo foi aos 14 minutos, quando Cueva saiu na cara do goleiro Aranha, mas não conseguiu desviar. A principal diferença em relação ao ano passado foi a velocidade na troca de passes. Nos últimos anos, o torcedor se acostumou a ver os jogadores atuando parados. Ontem, todo mundo corria para criar opções de jogada. Foi um time vivo e dinâmico. Essa mudança de postura fez com que a torcida tivesse boa vontade com os erros e as dificuldades. Até certa comunhão. A torcida vibrava até quando ele corria atrás da bola para fazer o papel de gandula e não deixar o time perder o ritmo no ataque.

A Ponte adotou a estratégia de recuar, marcar atrás da linha da bola, e esperar o contra-ataque. O time se fez de morto, com diz a gíria. Na primeira finalização, a proposta de marcar no seu campo para aproveitar o erro do rival deu certo. O São Paulo se atrapalhou na saída de bola, a Ponte recuperou e a bola sobrou para Mateus Jesus, que acertou um belo chute de fora da área. Chute defensável que o goleiro Sidão deixou passar. Silêncio no Morumbi.

O goleiro conseguiu se recuperar em uma jogada parecida. Aos 26, Sidão defendeu um chute de primeira do ex-corintiano Lucca. Defesa difícil após outro contra-ataque de Campinas. O técnico Rogério Ceni pediu que Cueva e Lucca invertessem o posicionamento. No primeiro lance após a troca, Gilberto invadiu a área pela esquerda e chutou cruzado. No rebote de Aranha, Cueva empatou.

O gol de empate foi a senha para o São Paulo buscasse a virada ainda no primeiro tempo. Novamente, Cueva foi protagonista. Ele deu um passe perfeito, de sinuca, para Gilberto fazer o segundo gol. Na comemoração, muita vibração de um centroavante que ainda não conseguiu se firmar e será reserva do badalado de Lucas Pratto.

No segundo tempo, a Ponte avançou as linhas de defesa e tentou incomodar o rival para buscar o empate. Avançou, mas deu espaços. Foi aí que o São Paulo construiu a goleada. O terceiro tento saiu de uma grande jogada individual de Bruno, que driblou dois jogadores, mas perdeu a bola. Fábio Ferreira afastou mal, e Thiago Mendes chutou colocado no canto direito de Aranha. Foi um golaço! O quarto tento foi de Gilberto, após grande jogada de Luiz Araújo. A Ponte jogou a toalha e, aos 15 minutos do segundo tempo, começaram os gritos de "olé".  Após cobrança de escanteio, Gilberto fez mais um e completou o dia de festa para os são-paulinos.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 5 X 2 PONTE PRETA

SÃO PAULO (4-4-2): Sidão; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Junior Tavares; João Schmidt, Thiago Mendes (Araruna) e Cícero (Lugano); Cueva (Shaylon), Gilberto e Luiz Araújo. Técnico: Rogério Ceni.

PONTE PRETA (4-3-3): Aranha; Nino, Kadu, Fábio Ferreira e Jeferson (Artur); Naldo, Jádson e Matheus Jesus (Yago); Pottker, Clayson (Lins) e Lucca. Técnico: Felipe Moreira.

Gols: Mateus, aos 22; Cueva, aos 32 e Gilberto, aos 43 minutos do primeiro tempo. Thiago Mendes, aos 11, Gilberto, aos 12 e aos 24 e Lucca, aos 38 do segundo tempo.

Juiz: Thiago Duarte Peixoto.

Cartões amarelos: Cícero, Jeferson, Kadu, Nino Paraíba.

Público: 50952 pagantes.

Renda: R$ 1.312.376,00,00.

Local: Morumbi.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo FCFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.