São Paulo atrás da 1ª das 7 vitórias

Roberto Rojas previu hoje que o São Paulo precisará de mais sete vitórias para garantir a sua vaga na Libertadores de 2004. E na véspera da primeira das 12 partidas restantes para o final do Campeonato Brasileiro - amanhã, contra o Bahia, às 21h40, em Salvador - o técnico teve mais um exemplo de como será duro o seu trabalho. Terminado o coletivo que definiu o time titular, o volante Adriano submeteu-se a um treino extra com o auxiliar Milton Cruz. Um "exercício" para melhorar o passe do jogador, o que costuma ser feito na pré-temporada, e não na reta final de uma competição. Adriano ficava parado no meio-do-campo. Ele e mais sete cones de plástico, ocupando as posições de Gabriel, Fabiano, Fábio Simplício, Ricardinho, do próprio Adriano, Kléber e Luís Fabiano. Milton estava no gol, adiante de Adriano. Arremessava bolas e gritava o nome de um dos jogadores. Adriano recebia a bola e tentava fazer o passe corretamente para o "jogador" que Milton Cruz havia definido. "Esse é um treino para melhorar o passe do Adriano. Foi ele que pediu para fazer isso", disse Rojas. "Foi uma idéia do Milton Cruz", desmentiu Adriano. "Ele viu na Internet que o Gilberto Silva está treinando assim no Arsenal e adaptou para mim. Eu não fico aborrecido de ser o único treinando assim. Quero melhorar meu rendimento e muitas vezes treino sozinho, no paredão. Se é para ajudar o time, estou sempre pronto", disse o jogador, depois de meia hora de treinamento. Das 12 partidas restantes, o São Paulo fará seis em casa - o clássico contra o Corinthians, no domingo, e mais Guarani, Coritiba (um adversário direto pela vaga na Libertadores), Fluminense, Vitória e Flamengo, no encerramento do turno. Se conseguir vencer as seis partidas - difícil pelo retrospecto do São Paulo, nos jogos em que é mandante -, ainda teria que conseguir uma vitória contra o Bahia (amanhã à noite), Goiás, São Caetano, Atlético-PR, Ponte e Inter (outro adversário direto na vaga pela Libertadores). "Não vai ser fácil, eu tenho falado isso há muito tempo. Nessa fase final, os times que estão por baixo na classificação tornam os jogos muito difíceis porque querem fugir do rebaixamento", disse Rojas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.