São Paulo avisa: antes tem o Coritiba

A cidade inteira já fala do clássico contra o Palmeiras, quarta-feira, pela Libertadores. A expectativa maior é dos são-paulinos, obcecados pelo torneio continental que não vencem desde 93. O técnico do São Paulo, Paulo Autuori, sabe bem disso. E sabe também que vai ter muito trabalho para conscientizar seus jogadores que, antes do rival Palmeiras, é preciso passar pelo Coritiba, neste domingo, às 18h10, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro."É um desafio para a equipe mostrar sua cara. Quero ver todos encarando as duas competições com vontade", disse Autuori, que não vai poupar ninguém do jogo desta tarde. "Não vou priorizar competição. Quero as duas."Apesar de todo clima já criado em torno do clássico de quarta-feira, o treinador não teme o "salto alto" contra o Coritiba. Ao contrário. Autuori está otimista e acha que seus atletas não vão desapontá-lo. "O nosso interruptor da Libertadores está desligado. Só pensamos no Coritiba, que é um adversário de respeito. E sei que o grupo está bem consciente disso", afirmou.O curioso é que o próprio Autuori teve de se policiar ontem para não atropelar a empolgação e começar a falar do rival de quarta-feira. "Sobre o Palmeiras só falo depois desse jogo."A meta do treinador é que o time embale também no Brasileirão. Por enquanto, em três rodadas, o São Paulo conquistou só quatro pontos. É o nono colocado, com uma vitória, um empate e uma derrota. Mas em suas duas semanas de clube, Autuori já percebeu que a grande obsessão dos são-paulinos é a Copa Libertadores. Isso ele poderia medir até pelas médias de público no Morumbi - enquanto no Brasileirão o time raramente leva mais de 10 mil pessoas ao estádio, na Libertadores a média é sempre superior a 25 mil. Em muitos casos, chega a passar dos 50 mil."Acho legal essa obsessão pela Libertadores. Cria uma preocupação nos jogadores de entrar sempre ligado em campo", disse Autuori, que já foi campeão continental em 97, pelo Cruzeiro. "Lá também havia uma grande obsessão por esse título, que não era conquistado havia 21 anos. Mas conseguimos dosar a empolgação e, além da Libertadores, conquistamos também o Campeonato Mineiro", lembrou.O problema é que os próprios jogadores admitem que, em partidas válidas pelo torneio sul-americano, a motivação é maior. "Claro que nosso grande objetivo é a Libertadores, mas estamos focados também no Brasileiro", garantiu o lateral Cicinho.Contra o Coritiba, Autuori não poderá contar com Lugano, suspenso. Alex entra e forma a zaga com Fabão e Edcarlos. Nas demais posições, nenhuma mudança: Cicinho e Júnior serão os laterais, Josué e Mineiro formam a dupla de volantes, e Danilo joga como o único armador para servir os atacantes Grafite e Luizão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.