São Paulo bate Defensor e se isola na liderança da chave

A partida desta quarta-feira à noite em Montevidéu, no Uruguai, refletiu as expectativas do São Paulo, que esperava um adversário valente e com boa qualidade técnica. Jogando desta maneira, o Defensor valorizou muito a vitória do time brasileiro por 1 a 0. Apesar de toda a dificuldade para conquistar o resultado magro fora de casa, o objetivo principal do técnico Muricy Ramalho foi alcançado: a liderança isolada do Grupo 4 da Copa Libertadores.

RAFAEL BRAGANÇA, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 00h12

A vitória fez o São Paulo chegar a sete pontos, deixando o Defensor com quatro, na vice-liderança. Além da primeira posição do Grupo 4, a classificação para a próxima fase também fica cada vez mais perto. Agora, basta uma vitória no próximo jogo pela Libertadores, novamente contra o Defensor, no dia 9 de abril, no Morumbi, para garantir a vaga e a liderança da chave. Pelo Paulistão, o São Paulo volta a campo no sábado, diante do Paulista, em Jundiaí.

Numa partida em que soube controlar o ímpeto inicial do Defensor, acabou fazendo a diferença a qualidade técnica e a experiência do São Paulo na competição continental. Borges foi oportunista e marcou o gol da vitória em uma das poucas chances criadas pelo time são-paulino. Já no fim do jogo, apesar de se defender bem, o time de Muricy ainda contou com a sorte para não sofrer o empate, já que a pressão da equipe uruguaia foi grande.

O JOGO - O início da partida no Estádio Centenário confirmou as previsões do São Paulo de que o time uruguaio seria um adversário complicado, principalmente nos primeiros momentos do confronto. O Defensor partiu para cima e fez pressão para conseguir o seu gol, que quase veio logo aos dois minutos. Marchant partiu em velocidade, invadiu a área, fez o corte e bateu forte, fazendo a bola passar muito perto do travessão.

Nos minutos seguintes, o Defensor continuou pressionando e o São Paulo se defendia como podia. Apenas aos 12, a equipe brasileira conseguiu encaixar o primeiro contra-ataque. Depois de boa troca de passes, Arouca ficou com a bola dentro da área, mas preferiu se jogar para tentar cavar o pênalti, que o árbitro não deu. Logo após o lance, Renato Silva deu um susto na torcida são-paulina.

O zagueiro se chocou com Rogério Ceni e na hora da queda bateu a nuca no gramado. O jogador ficou por alguns instantes no chão, dando a impressão de estar desacordado. Mas depois Renato Silva se levantou sozinho e saiu de campo, voltando logo depois sem maiores problemas.

Aos poucos, o São Paulo ia tentado equilibrar o jogo. Mesmo assim, o Defensor ainda levava perigo quando chegava, principalmente nas bolas paradas. Quando crescia na partida, o gol são-paulino acabou saindo e dando tranquilidade para os visitantes. Aos 39, apenas dois minutos após acertar o seu primeiro chute no gol, o time de Muricy marcou com Borges.

Partindo na mesma linha da zaga uruguaia, o atacante recebeu bom passe de Jean e já colocou na frente com o domínio. Dentro da área, Borges não hesitou e soltou a bomba. O chute forte foi certeiro, no ângulo direito do gol guardado por Silva, sem chances de defesa para o goleiro.

Para o segundo tempo, o São Paulo voltou com uma postura mais defensiva, com a clara intenção de priorizar a marcação e tentar matar o jogo no contra-ataque. Apesar de agora estar em desvantagem e precisando buscar a vitória, o Defensor já não era tão perigoso quanto na etapa inicial.

Com mais dificuldade para chegar à área são-paulina, o time uruguaio começou a arriscar chutes de longe, como o de Diego de Souza, aos 16 minutos, que assustou o goleiro Rogério Ceni. Com 20 minutos, foi a vez de Navarro chutar para fora, mas também passando perto da meta do São Paulo. Depois de passar a primeira metade do segundo tempo sem criar chances reais de gol, o Defensor teve boas oportunidades para marcar no fim do jogo.

Aos 36, Navarro cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira e passou perto do gol. Dois minutos depois, foi a vez de Miranda se atrapalhar com Rogério Ceni, fazendo a lambança quase terminar em gol do Defensor. Com 39, Curbelo pegou um chute muito forte de dentro da área, mas o arremate desviou em Vera. Com Rogério caído em seu canto esquerdo, a bola passou rente à trave na direita. Já nos acréscimos, Navarro perdeu mais uma, chutando para fora cara a cara com o goleiro são-paulino.

Ficha Técnica:

Defensor 0 x 1 São Paulo

Defensor - Silva; Pintos, Curbelo, Rizzo e Ariosa; Gaglianone (Diego Ferreira), Amado, Diego de Souza (Vila) e Marchant; Mora (Navarro) e Diego Vera. Técnico: Jorge da Silva.

São Paulo - Rogério Ceni; Renato Silva, Rodrigo e Miranda; Arouca (Richarlyson), Jean, Hernanes, Jorge Wágner e Júnior César (Aislan); Borges e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

Gol - Borges, aos 39 minutos do primeiro tempo.

Árbitro - Carlos Amarilla (Fifa-Paraguai).

Cartões amarelos - Mora (Defensor); Rogério Ceni, Washington e Júnior César (São Paulo).

Renda e público - Não disponíveis.

Local - Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.