São Paulo bate Ponte Preta na reestreia de Muricy Ramalho

Gol de Luis Fabiano garante os primeiros três pontos da nova era Muricy, mas time ainda não sai da zona de rebaixamento

GABRIEL MELLONI, Agência Estado

12 Setembro 2013 | 23h00

SÃO PAULO - A volta de Muricy Ramalho parece mesmo ter mexido com os ânimos dos jogadores do São Paulo. Nesta quinta-feira, a equipe mostrou um futebol vibrante, de bastante entrega, e voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Com a ajuda da torcida, que fez sua parte no Morumbi, derrotou a Ponte Preta por 1 a 0 sem maiores sustos, pela 20.ª rodada. Pior para os campineiros, que chegaram à sétima derrota consecutiva na competição.

O resultado não tirou o São Paulo da zona de rebaixamento, já que a equipe está na 18.ª posição, com 21 pontos, mas renovou o ânimo dos torcedores. Na próxima rodada, o duelo será diante do Vasco, domingo, em São Januário. Já a Ponte Preta parece cada vez mais fadada à queda para a Série B, na penúltima posição, com 15 pontos, e no domingo enfrentará o Flamengo no Moisés Lucarelli.

Logo em sua reestreia, Muricy Ramalho decidiu mexer em tudo. O esquema tático passou do 4-4-2 para o 3-5-2. Na escalação, Caramelo e Welliton ganharam espaço entre os titulares, enquanto Jadson ficou no banco e Osvaldo sequer apareceu entre os reservas. Vale lembrar que eles chegaram a ser convocados para a seleção brasileira nesse ano. Denilson, recuperado de lesão, ficou com a vaga de Wellington, enquanto Maicon ganhou a posição de Fabrício.            

E a equipe correspondeu. Se não foi brilhante e em diversos momentos exibiu certa lentidão na criação das jogadas, o São Paulo se mostrou sufocante, pressionou a Ponte Preta e não deixou o adversário jogar. No primeiro tempo, a equipe do Morumbi criou bastante, mas após o gol de Luis Fabiano, no início da etapa final, relaxou e correu riscos desnecessários.

O JOGO

 

O primeiro bom momento da partida, no entanto, foi da Ponte Preta. Aos seis minutos, Artur arrancou da intermediária e foi derrubado por Rodrigo Caio. Fellipe Bastos encheu o pé na cobrança e levou perigo. O São Paulo respondeu dois minutos depois, quando Welliton arrancou em contra-ataque e encheu o pé ao entrar na área. Roberto espalmou, mas foi o suficiente para acender a torcida.

O São Paulo tinha dificuldade para chegar, em parte pela boa marcação da Ponte Preta e em parte pelo desentrosamento no novo esquema. Com isso, a equipe voltou a criar apenas na bola parada. Aos 18 minutos, Maicon cobrou escanteio na área, Antonio Carlos subiu bem e cabeceou para o chão, exigindo boa defesa de Roberto. O goleiro ponte-pretano voltou a aparecer aos 21, quando espalmou chute forte de Luis Fabiano após cruzamento de Caramelo.

O time da casa começava a se soltar, mas perdia chances consecutivas. Aos 24 minutos, a bola caiu dentro da área no pé de Welliton, que encheu o pé outra vez, mas isolou. Quatro minutos depois, a equipe construiu uma boa jogada. Reinaldo achou Ganso, que tocou para Luis Fabiano dentro da área. O atacante bateu cruzado, mas Roberto voltou a aparecer bem.

A Ponte Preta parecia querer apostar em um contra-ataque, mas sequer conseguia ficar com a bola. O São Paulo encurralava o adversário, mas pecava na falta de velocidade. Luis Fabiano teve uma das melhores chances, limpou Ferron duas vezes, mas demorou para bater e foi travado. Denilson, de fora da área, exigiu outra intervenção de Roberto aos 38 minutos.

Se o São Paulo não marcava, a Ponte quase abriu o placar em uma das únicas chegadas ao ataque no primeiro tempo. Chiquinho cruzou da esquerda e William cabeceou à esquerda, com muito perigo. Depois do susto no fim do primeiro tempo, o torcedor são-paulino pôde celebrar logo no início do segundo. Aos dois minutos, Ganso aproveitou saída errada do adversário e tocou para Luis Fabiano, que ganhou da zaga na velocidade e bateu de primeira, desta vez sem chance para Roberto.

A Ponte Preta, precisando do resultado, começou a sair mais e quase empatou aos 11 minutos. Após cobrança de falta, a bola sobrou para Artur, que bateu torto. A bola ainda raspou no travessão antes de sair. Aos 22, Adrianinho alçou bola na área e César cabeceou em cima de Rogério. Se não tinha qualidade para armar jogadas, os campineiros começavam a incomodar em lances de bola parada.

Jadson foi a campo aos 26 minutos, na vaga de Caramelo, e logo em seu primeiro lance deu lindo passe para Luis Fabiano finalizar. Roberto impediu o segundo do atacante. Com o passar do tempo, o São Paulo se mostrava cada vez mais satisfeito com o resultado, enquanto a Ponte não mostrava qualquer capacidade para assustar. Aos 44, os campineiros ainda tiveram uma grande chance e Paulo Miranda quase marcou contra, mas ficou nisso.

SÃO PAULO 1 X 0 PONTE PRETA

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio e Antônio Carlos; Caramelo (Jadson), Denilson, Maicon, Paulo Henrique Ganso (Lucas Evangelista) e Reinaldo; Welliton (Negueba) e Luis Fabiano . Técnico: Muricy Ramalho.

PONTE PRETA - Roberto; Artur, César, Ferrón e Uendel; Baraka, Magal (Rildo), Fellipe Bastos e Adrianinho (Brian Sarmiento); Chiquinho (Adailton) e William. Técnico: Jorginho.

GOLS - Luis Fabiano, aos dois minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Marcelo Aparecido de Souza (SP).

CARTÕES AMARELOS - Paulo Miranda (São Paulo); Baraka (Ponte Preta).

CARTÃO VERMELHO - Denilson (São Paulo).

RENDA E PÚBLICO - não disponíveis.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.