Andres Cuenca/AP
Andres Cuenca/AP

São Paulo briga para não jogar em Presidente Prudente

Clube se irrita com desejo do São Caetano de mandar o jogo no interior do Estado; time pensa na Libertadores

Amanda Romanelli, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 07h55

SÃO PAULO - Por causa da prioridade dada à Libertadores, o São Paulo ameaça enfrentar o São Caetano com um time de juniores caso a partida seja transferida do ABC para Presidente Prudente. O jogo, válido pela última rodada da fase classificatória do Estadual, está marcado para 5 de abril, um domingo. Na quinta-feira seguinte, dia 9, a equipe enfrentará o Defensor, no Morumbi, no primeiro duelo do returno da competição continental.

Veja também:

linkMuricy Ramalho ainda não sabe quem jogará contra o Paulista 

linkSão Paulo briga para não jogar em Presidente Prudente  

linkBorges: 'Encaro a Copa Libertadores de forma especial'

linkSão Paulo vence e fica perto de vaga na Libertadores 

linkBorges diz que vitória foi 'importantíssima' para o São Paulo

tabela Libertadores - Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Respeitamos o Campeonato Paulista, mas não vamos sacrificar a Libertadores de jeito nenhum. É a nossa prioridade", garantiu o diretor de futebol João Paulo de Jesus Lopes. "Se tivermos que jogar lá, vamos montar um time com a base, reunindo os garotos que estão em Cotia. O Muricy receberá essa recomendação".

A diretoria tricolor diz ter comunicado ao adversário que não concorda com a mudança e informou que nesta quinta formalizará sua opinião junto à Federação Paulista de Futebol (FPF). O São Caetano alega que a transferência do local da partida é necessária porque o estádio Anacleto Campanella pode receber, no máximo, 15 mil torcedores.

"Não estamos gostando disso", resumiu Lopes. "Espero que prevaleça o bom senso. Entendemos que o São Paulo é uma grande atração e o São Caetano quer ter uma compensação financeira. Mas não concordamos com a escolha e esperamos que a FPF faça sua parte."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.