São Paulo busca a paz em Fortaleza

Em condições normais, um jogo contra o Ceará, mesmo em Fortaleza, seria tranqüilo para o São Paulo. Mas para uma equipe que sofreu duas derrotas consecutivas - para o Botafogo, em Ribeirão Preto, e União São João, em Araras - a partida desta quarta-feira no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza, pela Copa do Brasil, transformou-se em uma decisão. O técnico Oswaldo Alvarez insiste que "Copa do Brasil e Campeonato Paulista são competições diferentes". Os jogadores, no entanto, reconhecem: se o São Paulo não vencer amanhã, a crise poderá se agravar no Morumbi. Uma vitória por mais de um gol de diferença classificará o time sem a necessidade do jogo de volta, na próxima semana no Morumbi. E é esse o objetivo desta quarta à noite. "Vamos jogar para fazer dois gols, sem dúvida", disse o zagueiro Rogério Pinheiro. "Precisamos readquirir confiança, até pela nossa situação depois dos últimos resultados", reconheceu. A opinião de Rogério Pinheiro é a mesma do goleiro Rogério Ceni. O capitão do time do São Paulo reconhece que a vitória é o único resultado capaz de trazer tranqüilidade à equipe. "Duas derrotas consecutivas criam um clima ruim em qualquer lugar", disse Rogério Ceni. "Eu costumo falar para os demais jogadores que, para evitar polêmica, o melhor é sempre ganhar. Quem ganha nunca é contestado." A dupla de zaga titular, formada por Rogério Pinheiro e Jean, está de volta. Os dois não jogaram contra o União São João porque estavam suspensos. Belletti, ainda em recuperação de uma contusão no joelho esquerdo, nem viajou para o Ceará. Em seu lugar joga Reginaldo Araújo. No meio-de-campo, Carlos Miguel ganhou a preferência de Vadão. O garoto Kaká fica no banco de reservas, assim como Júlio Santos e Maldonado, a dupla de zaga do jogo do último domingo, em Araras. O volante Alexandre e o atacante Luís Fabiano, multados em 40% de seus salários por causa das expulsões sábado em Araras, têm presença garantida. "No aspecto disciplinar, eles já foram punidos. O time precisa deles", justificou Alvarez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.