São Paulo: cartolas ficaram no vestiário

O clima de nervosismo entre as torcidas atingiu até mesmo os dirigentes do São Paulo, que, num ato inédito, preferiram ficar no vestiário de visitante, ao lado dos jogadores, ao invés de subir até o camarote reservado pela diretoria do Palmeiras no Palestra Itália.Dos vestiários até o camarote, a comitiva do São Paulo teria de passar perto da torcida do Palmeiras. Só pediram que instalassem duas televisões para que acompanhassem os lances da partida que acontecia ao lado.Sabendo disso, o diretor do Palmeiras, Hugo Palaia, foi conversar com seu colega de clube, Juvenal Juvêncio, sobre a decisão. "Vocês não vão ao camarote? Estão com medo?", perguntou Palaia. Juvêncio justificou-se: "Queremos ficar perto dos nossos jogadores. Sentir o clima de jogo."Os televisores foram instalados e Palaia prometeu aos dirigentes o mesmo tratamento que teriam no camarote: com direito a salgadinhos e refrigerantes. "Estamos sendo muito bem tratados. Não temos do que reclamar. Só a agradecer", reconheceu Juvêncio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.