São Paulo: cautela máxima em Belém

Humildade e cautela não fazem mal aninguém numa partida de futebol. Ainda mais se o adversário viermotivado após vitória sobre o Boca Juniors em La Bombonera.Assim, defender-se não é demérito, e sim, virtude. Com tamanhaprecaução, o São Paulo encara o Paysandu neste domingo, às 18horas, no caldeirão do Mangueirão, em Belém. E quem dá a receita de como encarar o "Papão da Curuzu" sãoos próprios atletas do São Paulo, que consideram um empategrande negócio. "O importante é somar pontos, nem que sejaapenas um", ressalta Jorginho Paulista, de volta aos camposapós 5 meses recuperando-se de fratura no tornozelo esquerdo.Como? "Administrando a posse de bola, cadenciando o jogo e nãoprecipitando no passe, dando chutão. Temos de ser humildes,neste Brasileiro não há equipes pequenas. Veja o Palmeiras,levou de 7 a 2 do Vitória. Quem esperava isso?" "Não podemos querer atacar o rival em sua casa, eles têmqualidades e estão empolgados por causa da Libertadores. Temosde jogar com cautela, deixá-los vir para cima e aproveitar ospossíveis erros nos contra-ataques", afirmou o volante JúlioBaptista. Para o zagueiro Jean, a fórmula que o Paysandu usou parasuperar o Boca Juniors, mesmo com um jogador a menos - fortemarcação e rápidos contra-ataques -, é a que o São Paulo devefazer, já que no Mangueirão os torcedores do time oponente devempressionar sua equipe para buscar a vitória a todo custo."Temos de ter cuidado e fazê-los provar do próprio veneno." O técnico Oswaldo de Oliveira lembra da campanha do rival nasúltimas competições e alerta seus jogadores. "Eles vêm de belatrajetória vitoriosa, no Norte (Copa do Norte), Copa dosCampeões e agora motivados pelo 1 a 0 no Boca Juniors. Temosde entrar atentos." Mas, acha que o time deve manter a posturados outros jogos, a de atacar, sufocar os rivais. "Sequisermos cadenciar o jogo, somos atropelados." Mas pode, com acontusão de Souza, também usar da cautela e entrar com trêsvolantes. Carlos Alberto substituiria Souza. O jovem meia Ailtoncorre por fora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.