São Paulo com futebol-total nesta 4ª

O técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, do São Paulo, vai experimentar mais uma vez o esquema de "futebol-total" que ele está tentando implantar na sua equipe. Com seis desfalques, a equipe enfrenta nesta quarta-feira, às 20h30, o Botafogo da Paraíba, no Morumbi, com a pressão de não ser eliminado em casa pelo modesto adversário, último colocado da Copa do Nordeste. Mesmo jogando pelo empate, já que venceu por 1 a 0 a partida de ida, em João Pessoa, a ordem no São Paulo é não se acomodar e tentar evitar qualquer surpresa nesta Copa do Brasil. O discurso confiante foi uma das tônicas do treinador, que falava como se o São Paulo fosse disputar uma final de Copa do Mundo. "Os desfalques não serão problemas, a equipe está respondendo bem como um todo", observou, exaltando também a versatilidade da equipe, que joga tanto no esquema 3-5-2 quanto no 4-4-2. Vadão disse não esperar um público muito grande, mas atribuiu isso a uma iniciativa do próprio São Paulo. "Preferimos antecipar o jogo para o dia da partida da seleção, para não ficarmos muito desgastados no Paulista", revelou. No sábado, o São Paulo enfrenta o Botafogo de Ribeirão Preto, fora de casa, pelo Estadual. O receio de perder a vaga ficou comprovado com a longa série de cobranças de pênalti a que os jogadores foram submetidos no fim do treino. Vadão não escondeu que qualquer atitude desrespeitosa contra o adversário pode ser fatal. "Além disso também treinamos cobranças para o Campeonato Paulista", ressaltou o técnico. Com relação aos pênaltis, o atacante França afirmou que está disposto a voltar a ser o cobrador oficial da equipe, principalmente com as ausências de Belletti e Rogério Pinheiro, que estão na seleção brasileira. Após o jogo contra Ponte Preta, pelo Paulista, o jogador ficou traumatizado após perder um pênalti no empate por 2 a 2 e pediu para não mais ser solicitado para as cobranças. "Agora estou bem, pedi para o Vadão e me sinto confiante. Se houver algum pênalti, eu que vou cobrar", observou. França vem sendo criticado por muitos torcedores nas últimas partidas por estar há dois jogos sem marcar gols. Como resposta, ele resolveu demonstrar mais segurança, optando por um discurso incisivo. Hoje, suas palavras contrastavam com a personalidade pacata que costumava demonstrar. "Acho que eles não vão com a minha cara porque estou há cinco anos no clube", ironizou. Para ele, a diminuição no número de gols se deve à uma mudança de colocação em campo. "Estou saindo mais da área. Comecei a aparecer para o futebol e os zagueiros passaram a não dar mais espaços", analisou. "Contra o Botafogo da Paraíba, no primeiro jogo, só ouvia um zagueiro comentar com o outro: segura o homem, não deixa ele se mexer", acrescentou. Além dos jogadores na seleção brasileira, Vadão não terá os zagueiros Wilson e Reginaldo, o volante Maldonado, na seleção do Chile, e Fabiano, com uma entorse no joelho. Roger e Reginaldo Araújo irão substituir Rogério Ceni e Belletti. O volante Alexandre já cumpriu suspensão e deve começar jogando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.