São Paulo comemora vitória no Rio como se fosse título

Jogadores afirmam que triunfo foi fundamental na luta pelo título; já botafoguenses reclamam da arbitragem

Agencia Estado

30 de outubro de 2008 | 00h58

Bastou o árbitro Sérgio da Silva Carvalho apitar o final da partida para os jogadores do São Paulo comemorarem a vitória sobre o Botafogo por 2 a 1, no Engenhão, como se fosse um título. Rogério Ceni abraçou Rodrigo, André Dias, Hernanes. Enfim, o time todo.Veja também:São Paulo vence e divide ponta do Brasileirão com o Grêmio Brasileirão Série A - Classificação Brasileirão Serie A- Calendário/Resultados Ouça os gols no Território EldoradoDê seu palpite no Bolão Vip do Limão "Depois de um jogo como esse, nós temos de comemorar mesmo e se abraçar. A equipe teve personalidade, fez um ótimo jogo contra um time bom, muito bom, que é o Botafogo", afirmou o capitão. "Temos algumas carências, mas não falta alma, coração para o nosso time. Será assim até o final."Antes da partida era unânime entre os jogadores que uma vitória no Rio seria fundamental para colar no Grêmio. O líder tinha um jogo muito difícil contra o Cruzeiro. Os mineiros venceram por 3 a 0 e ajudaram o São Paulo, que agora soma os mesmos 59 pontos dos gaúchos, e divide a liderança."Tínhamos de fazer a nossa parte, esse jogo iria fazer diferença na briga pelo título. Agora é pensar no domingo que tem mais", disse Hernanes, referindo-se ao jogo contra o Internacional, no Morumbi. O volante marcou o segundo gol do São Paulo, que garantiu a vitória.POLÊMICA Os jogadores do time paulista defenderam o trio de arbitragem, em especial o auxiliar Renato Miguel, que foi alvo da ira dos jogadores do Botafogo. Até o presidente do clube carioca, Bebeto de Freitas, invadiu o gramado para protestar contra o gol anulado de Lucas Silva, que empataria a partida. No lance, o bandeira apontou impedimento de Wellington Paulista."O Wellington estava na minha frente, abriu as pernas e me atrapalhou", afirmou Rogério Ceni. "Tinha um jogador adiantado, que tocou na bola. Ele deu impedimento corretamente", completou Miranda.O zagueiro também explicou a jogada do gol do Botafogo, em que vacilou e perdeu a bola para Wellington Paulista, dentro da área. "Errar é humano! Todo grande jogador erra. No lance, a bola veio em cima de mim e tentei dominá-la e sair jogando. Aí, o atacante se deu melhor e fez o gol. Mas o importante foi o resultado positivo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.