Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

São Paulo comemora volta da força do seu jogo aéreo

Time do técnico Ricardo Gomes já marcou sete dos seus 33 gols de cabeça, neste Campeonato Brasileiro

AE, Agencia Estado

14 de setembro de 2009 | 13h39

O São Paulo comemorou nesta segunda-feira, a retomada da força de uma das principais armas da equipe nas últimas temporadas: a jogada aérea. Segundo o clube, o time igualou, no Campeonato Brasileiro, a mesma porcentagem de gols alcançada em 2008 com o mesmo tipo de expediente na competição nacional.

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

De acordo com estatísticas coletadas pelo São Paulo, a equipe marcou sete de seus 33 gols no Brasileirão em jogadas aéreas, o que representa 21% das bolas na rede. A mesma porcentagem foi obtida no torneio em 2008, com 14 gols oriundos de bolas pelo alto de um total de 66.

O meia Jorge Wagner, principal assistente do time nas últimas temporadas e grande arma em cobranças de falta, ressaltou a eficiência dos jogadores de frente da equipe nas jogadas aéreas. "Nosso time tem grandes jogadores com competência na jogada aérea, temos atacantes que se mexem bem e procuram ficar à disposição para finalizar. O Washington é uma referência. O Borges, apesar de não ter grande estatura, também faz muito bem esse perfil", analisou.

Já o zagueiro Miranda destacou o trabalho que vem sendo realizado pelo técnico Ricardo Gomes para a retomada da força da equipe nas jogadas aéreas. "Muito mérito para o Ricardo, que exige e nos cobra muito nos treinamentos. Acho que é principalmente um resultado do trabalho que fazemos durante a semana e pela variação de jogadas que temos apresentado em campo, pois isso acaba surpreendendo o adversário", ressaltou o jogador.

O meia Hugo, por sua vez, marcou dois dos seus três gols no Brasileirão deste ano em cabeçadas e também destacou a insistência nos treinos como fator fundamental para o sucesso desse tipo de jogada. "Com certeza essa é uma das nossas maiores forças. Nosso time treina muito esse tipo de finalização e o resultado acaba aparecendo em campo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.