São Paulo confia no retrospecto em casa

Os fantasmas que ameaçam o futuro do São Paulo no Campeonato Brasileiro não estão exatamente em casa. Jogando como mandante, o retrospecto é o melhor da competição, com aproveitamento de 87,8%. Em 11 jogos, foram nove vitórias e só dois empates. São esses números que fortalecem a esperança de todos os são-paulinos numa vitória sobre o Criciuma, amanhã, às 20h30, no Morumbi. "É uma excelente chance que temos para vencer. E uma vitória pode nos recolocar na ponta", lembra o técnico Cuca. "Por isso é importante manter o bom aproveitamento no Morumbi". Apesar do retrospecto favorável, o São Paulo está cheio de problemas. Luís Fabiano, que poderia acabar com a ineficiência do ataque nas conclusões, continua fora, se recuperando de uma contratura muscular na coxa esquerda. Rondón, o outro centroavante, também não joga porque está com a Seleção da Venezuela. E Alex, com entorse no tornozelo direito, nem foi relacionado para a concentração. Os outros desfalques são todos por suspensão: Diego Tardelli (terceiro cartão amarelo), Rodrigo (cartão vermelho) e Fabão (suspenso hoje à noite pela Comissão Disciplinar do STJD). Por tudo isso, e também porque o jogo é no Morumbi, o São Paulo será armado no 4-4-2. No treinamento coletivo de terça-feira o time já treinou assim. Cuca trocou o terceiro zagueiro (Rodrigo) pelo terceiro atacante (Vélber). O técnico acha que seria bobagem deixar três zagueiros para cuidar apenas de um atacante. Ele duvida que o Criciúma ataque o São Paulo no Morumbi de outra forma. Além do esquema mais ofensivo, Cuca exige ainda mudança no quesito comportamento. Para evitar novas expulsões, sugeriu aos jogadores que esqueçam a arbitragem. Como o time é o mais indisciplinado do campeonato, com 12 cartões vermelhos e 68 amarelos, o técnico acha que os critérios têm sido mais rigorosos com a sua equipe. "Nem quero mais falar sobre isso. Só quero que essa turma ganhe o jogo e diminua o índice de cartões recebidos". O técnico, porém, também ficou numa situação delicada depois que o árbitro Luciano Almeida denunciou em seu relatório as palavras de Cuca após o jogo contra o Atlético-PR. O treinador, no entanto, não teme uma punição. "Não temo nada porque não fiz nada. Apenas cumprimentei e perguntei por que ele era tão caseiro. Se eu for punir alguém por causa disso não tem mais futebol". Outro alerta feito pelo treinador em relação ao jogo de amanhã. Cuca não quer ouvir nenhum jogador dizer que está torcendo por tropeços dos concorrentes - especialmente Santos, Palmeiras e Ponte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.