São Paulo contrata garoto de 17 anos e compra briga com o Vasco

Tricolor alega que lateral-direito Foguete saiu de São Januário por determinação judicial

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 17h46

RIO - O São Paulo resolveu comprar briga com o Vasco ao anunciar, nesta quinta-feira, a contratação do lateral-direito Foguete, de apenas 17 anos, uma das grandes promessas das categorias de base cruzmaltinas. O clube paulista alega que o jogador saiu de São Januário por determinação judicial e, assim, estava livre para assinar com qualquer time.

O caso é parecido com o do atacante Mosquito, outro destaque vascaíno, também da seleção brasileira de base. Quando completou 16 anos, o garoto não quis assinar contrato com os cariocas e seu empresário passou a oferecê-lo a diversos times. Todos recusaram, inclusive o São Paulo.

Na época, o então diretor das categorias de base do São Paulo, René Simões, disse que o clube não acertaria com Mosquito por conta de um acerto selado por todos os times das Séries A e B do Brasileirão, por sugestão de Ney Franco (hoje técnico tricolor). Na ocasião, os clubes se comprometeram a não tirar garotos dos rivais sem ressarcimento financeiro.

Mosquito acabou parando no Atlético-PR que, como "punição", passou a ser boicotado pelos demais, retirado de competições de base. Para pôr fim ao imbróglio, o time paranaense agora topou pagar ao Vasco pelo atacante.

Já o São Paulo alega que Foguete ficou sem receber salários no Vasco e que por isso não viu problemas em contratá-lo, reforçando que o lateral também recebeu propostas de Santos, Fluminense e Atlético-PR, outros que teriam rompido o "pacto" defendido por René, hoje diretor executivo do Vasco.

"Escolhi o São Paulo porque é o clube que oferece a melhor condição para eu evoluir como profissional e conquistar todos os objetivos para a minha carreira. Fiz muitos amigos na seleção brasileira que são do São Paulo e eles sempre falaram muito bem do clube. Estou muito feliz e pronto para começar a trabalhar", disse Foguete, em sua apresentação.

"O São Paulo, além de formar atletas desde sua inicialização, é um clube que os mais jovens têm o interesse de vir porque veem aqui uma forma de trabalho profissional, além da formação pessoal que priorizamos desde cedo", destacou Adalberto Baptista, diretor de futebol do São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.