São Paulo corta gastos e dispensa Régis

A diretoria do São Paulo segue à risca a política de cortar gastos e, nesta quinta-feira, conseguiu se livrar de mais um custo. Os dirigentes anunciaram a dispensa do zagueiro Régis, que vinha sendo pouco aproveitado na equipe. O jogador, contratado no segundo semestre do ano passado a pedido de Oswaldo de Oliveira, não foi aprovado e deve se transferir para um clube de pequeno porte da Europa. "O Régis não teve bom desempenho e, por isso, foi dispensado", explicou Juvenal Juvêncio, diretor de Futebol.Sua saída, no entanto, não vai resultar na contratação de um substituto. Pelo contrário, nem Ameli que retornaria da Argentina vai fazer parte do elenco em 2003. O zagueiro, que estava emprestado para o River Plate até o fim de junho, está renovando por mais um semestre o contrato com o clube de Buenos Aires. O São Paulo, que contava com seu retorno, abriu mão de trazê-lo de volta e o liberou para seguir a vida em seu país. Com isso, os são-paulinos devem receber mais US$ 250 mil dos argentinos.A solução encontrada pela diretoria e pela comissão técnica foi a mais barata. Edcarlos, que vinha disputando a Copa Estado de São Paulo pelo time B, acabou sendo promovido para o profissional. O jogador veio de Salvador em 2001 e já chegou a trabalhar entre os profissionais. No clube, ele é visto como atleta de grande futuro. Hoje, recebe aproximadamente R$ 1.500,00 por mês. "Acreditamos nesses jogadores, porque eles lutam, têm caráter, querem mostrar serviço", declarou Juvêncio.A desistência da disputa da Copa da Paz, neste mês, na Coréia do Sul, prejudicou, e muito, os planos do presidente Marcelo Portugal Gouvêa, que contava com a premiação do torneio - o campeão vai ganhar US$ 2 milhões. A situação financeira do clube não é nada confortável e alguns jogadores podem voltar a ter seus salários atrasados, embora a diretoria lute para evitar essa situação. Gouvêa já avisou o técnico Roberto Rojas que é quase impossível pensar em reforços. O treinador lhe pediu um atacante para o lugar de Reinaldo, que se transferiu para o Paris Saint-Germain, mas dificilmente o receberá.O presidente recomendou que ele aproveitasse os pratas da casa, como Rico e Kleber. É possível, também, que algum jogador do São Paulo B que se destaque na Copa Estado de São Paulo seja promovido.Problemas à vista - Kaká, que atraiu interesse de empresários ingleses, disputará o último jogo pelo São Paulo sábado, contra o São Caetano, antes de se juntar à seleção sub-23, que participará da Copa Ouro. Além de ficar sem Kaká, Rojas não poderá contar, por pelo menos mais quatro jogos, com Ricardinho. O time não terá, então, nenhum meia, ninguém para armar no meio-de-campo - com exceção do jovem Marco Antônio, de 19 anos. O técnico chileno deve, assim, "encher" o time de volantes.Sábado, é provável que já entrem no meio-de-campo quatro jogadores de marcação, Alexandre, Carlos Alberto, Fabio Simplício e Júlio Baptista. Nesse caso, Kaká atuará no ataque ao lado de Luís Fabiano e Rico deve ir para a reserva.

Agencia Estado,

03 de julho de 2003 | 18h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.