São Paulo culpa o juiz e o cansaço

O São Paulo apresentou uma lista de explicações para a derrota deste domingo por 2 a 1 diante do Fluminense, no último jogo do Maracanã antes da nova reforma. A principal delas foi a má arbitragem, nem tanto do juiz paranaense Héber Roberto Lopes, mas de seus dois auxiliares. O goleiro Rogério Ceni era um dos mais revoltados, sobretudo porque ele amargou uma derrota justamente no dia em que igualaria a marca de Waldir Perez no clube: 597 jogos. Antes mesmo de descer para o vestiário, ele procurou o juiz no gramado para cobrar os erros. ?Ele cometeu vários erros e ainda só permitiu três minustos de acréscimo?, resmungou o jogador. O técnico interino Milton Cruz foi mais contundente. Chateado com a péssima estréia no Campeonato Brasileiro crucificou o trio de arbitragem. ?O São Paulo foi prejudicado no Maracanã. Teve contra um pênalti duvidoso e ainda um gol legítimo anulado?, desabafou. À lista de problemas enfrentados para essa partida de estréia, o treinador tricolor acrescentou ainda o desgaste da equipe com a viagem para Santiago, onde na quinta-feira o time enfrentou a Universidad de Chile pela Libertadores. O cansaço pôde ser observado em alguns atletas no decorrer da disputa, principalmente no segundo tempo. Cicinho, Danilo e até Júnior andavam em campo e a perna já não obedecia mais aos seus comandos. ?Sabemos que o São Paulo é mais vibrante do que foi hoje, mas isso também se deve ao desgaste do jogo no Chile?, disse Milton Cruz. O atacante Grafite, único atleta a comentar no vestiário o dissabor da derrota, também acusou a arbitragem, mas preferiu reconhecer, mesmo que timidamente, a melhor postura e determinação do Flu. ?O juiz atrapalhou, impediu que o time crescesse no segundo tempo, mas isso já ficou para trás. O Fluminense, temos de admitir, também jogou melhor?, disse. Grafite é um dos cinco atletas do São Paulo que se apresentam nesta segunda-feira ao técnico Carlos Alberto Parreira para o amistoso de quarta-feira em São Paulo, contra a Guatemala. Os outros quatro são Rogério Ceni, Cicinho, Josué e Mineiro. ?Quero fazer bem feito o meu trabalho para ganhar um espaço na Seleção Brasileira. Estou muito a fim de disputar a Copa das Confederações, agora no meio do ano, na Alemanha?, revelou. Grafite tem chance, pois Parreira deverá usar um time reserva no torneio dado o desgaste dos brasileiros na Europa com o término da temporada. PROMESSA - O atacante Vandinho vai se apresentar ao São Paulo. Revelado pelo Paraná, ele foi o artilheiro da Copa São Paulo e negociado pelo empresário Luiz Alberto. ?Ele vai ficar no time profissional, apesar de ainda ter 19 anos?, disse Júlio Moraes, diretor de futebol amador do Tricolor. ?Ele participou de um torneio na Suíça e marcou quatro gols em cinco jogos. É muito bom?, conclui. O São Paulo comprou 50% dos direitos federativos do jogador. Não é o único atleta jovem procurado pelo clube. Gustavo Casão, de 18 anos, veio do Taquaritinga para os juniores. ?Ele tem futuro e nos impressionou porque disputou um torneio duro como o da série A-2 e se destacou. Precisa ser trabalhado, mas acreditamos nele?, explica Vizolli, técnico dos juniores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.