São Paulo curte a goleada histórica

Um dia após a goleada histórica sobre o Botafogo-PB, por 10 a 0 - a maior dos 40 anos de Morumbi -, pela Copa do Brasil, a empolgação tomou conta dos atletas do São Paulo. Mas os jogadores demonstram terem ficado um pouco confusos com o inusitado placar e, em meio à alegria, não conseguiam sequer responder a ordem e o autor dos gols. Já o técnico Oswaldo Alvarez mostrou seriedade na tentativa de conter a euforia do elenco, pensando no próximo compromisso do time, sábado, diante do Botafogo, em Ribeirão Preto, pelo Campeonato Paulista. "Trata-se de outro time, mais forte, e outra competição", avisou o treinador.Quem não tinha muito o que comemorar era o goleiro Rogério Ceni, o lateral-direito Belletti e o volante chileno Maldonado. Os três estavam defendendo as seleções de seus países e foram derrotados na rodada das Eliminatórias. "O Brasil continua superior tecnicamente, mas não corresponde em campo. Já o São Paulo vem muito bem, é líder do Paulista e está classificado na Copa do Brasil," comparou Rogério Ceni. E brincou: "Não esqueçam que faço parte do grupo". O goleiro ficou espantado quando soube o resultado da partida contra o Botafogo-PB, mas manteve o bom humor. "No Free Shop disseram que havia sido 4 a 0, já um torcedor aumentou para cinco. O taxista chegou aos nove e o segurança do CT disse que foi dez. Só falta chegar em casa e falarem em 11."Com semblante fechado, Belletti só pensava no próximo duelo, com o Botafogo. "Quero atuar pelo time e esquecer a derrota de ontem?, disse o lateral, que ainda guarda amargas lembranças do vexame da seleção brasileira, que perdeu para o Equador, em Quito.Quem estava rindo à toa nesta quinta-feira era o atacante Luís Fabiano. "Parecia brincadeira, deu até para perder a conta", afirmou o jogador. Ele contou também que goleadas assim, só com o time do Jardim Proença, bairro onde participava das "peladas" quando era criança. "Fazíamos um torneio entre bairros e os resultados eram assim, 10 a 5, 12 a 2." Apesar da alegria, Luís Fabiano lamentou o fato de não poder jogar no sábado, por estar suspenso. "Sempre dou sorte contra Botafogos", revelou o atacante, lembrando que marcou dois gols na final da Copa do Brasil, contra o Botafogo do Rio, e outros dois quarta-feira, contra a equipe da Paraíba. Na hora de falar sobre a ordem dos gols contra os paraibanos, ele derrapou: "Eu marquei dois e o França três, daí para a frente, não me lembro".Sem euforia - Preocupado com tanta festa, Oswaldo Alvarez está tentando "baixar a bola" dos atletas para o duelo com o Botafogo. O treinador disse que será um jogo diferente, contra um adversário perigoso. "Futebol tem de ser sério e uma vitória por meio a zero será o suficiente." Segundo ele, resultados como este contra o Botafogo deixam a torcida mal acostumada. "Se não golearmos é porque fizemos corpo mole."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.