Reuters
Reuters

São Paulo dá vexame em casa e está fora da Libertadores

Time tricolor joga mal, leva 2 a 0 do Cruzeiro e é eliminado pela quarta vez seguida por um rival brasileiro

André Rigue, estadao.com.br

18 de junho de 2009 | 23h47

O sonho do tetracampeonato do São Paulo na Copa Libertadores foi novamente arruinado por um clube brasileiro. Na noite desta quinta-feira, em pleno Morumbi, a equipe foi eliminada pelo Cruzeiro nas quartas de final, após ser derrotada por 2 a 0 - no primeiro jogo, no Mineirão, o time celeste também ganhou, mas por 2 a 1.

 

Veja também:

link Muricy Ramalho descarta deixar o clube e pede tempo

link São-paulinos lamentam a eliminação e o descontrole

link Kléber: 'Vitória é para amenizar a dor dos palmeirenses'

som Ouça na Eldorado/ESPN - Cruzeiro 1 x 0; Cruzeiro 2 x 0

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Esta foi a quarta queda seguida do São Paulo para clubes brasileiros. O time já havia perdido para o Internacional (2006), o Grêmio (2007) e o Fluminense (2008). O clube tricolor, aliás, não era eliminado no Morumbi desde 1994, quando caiu diante do argentino Velez Sarsfield.

 

Classificado às semifinais, o Cruzeiro agora terá um confronto brasileiro diante do Grêmio, que garantiu a vaga após eliminar o Caracas, da Venezuela.

 

Após uma semana intensa de treinos secretos, o técnico Muricy Ramalho surpreendeu nesta quinta-feira ao adotar o 3-5-2 e deixar Hernanes e Jorge Wagner no banco de reservas. Marlos e Eduardo Costa foram escalados no meio-campo. Adilson Batista, por sua vez, colocou o Cruzeiro sem novidades, no 4-4-2.

 

A ordem no time mineiro era marcar e irritar os torcedores, que lotaram o Morumbi. A estratégia do Cruzeiro deu certo. Sem muita criatividade no meio-campo, o São Paulo ficou travado e teve de recorrer às jogadas de bola aérea. Sem Jorge Wagner, porém, o passe para os atacantes chegou sem qualidade.

 

O primeiro bom lance de ataque foi do Cruzeiro. Aos 22 minutos, Gerson Magrão cruzou na área. Wellington Paulista apareceu livre e desviou de cabeça. A bola saiu à esquerda do gol de Denis - o goleiro são-paulino também voltou a trabalhar aos 26 minutos, para pegar um chute rasteiro de Kléber no canto esquerdo.

 

O São Paulo cresceu apenas nos minutos finais da etapa inicial. Aos 38 minutos, Júnior César arriscou de fora da área. Borges não conseguiu o desvio e a bola parou nas mãos de Fábio. Aos 42, foi a vez do próprio Borges arriscar. O arremate do atacante saiu travado e a bola quase enganou o goleiro cruzeirense.

 

Nas arquibancadas, os torcedores pediram pela entrada de Dagoberto. A situação, porém, fi

 São Paulo0
Denis; André Dias    , Renato Silva e Richarlyson; Zé Luis (André Lima), Eduardo Costa    , Jean, Marlos e Júnior César (Hernanes); Borges     e Washington (Dagoberto)
Técnico: Muricy Ramalho
 Cruzeiro2
Fábio    ; Jonathan     (Thiago Heleno), Léo Fortunato, Leonardo Silva e Gérson Magrão    ; Elicarlos (Bernardo), Henrique, Marquinhos Paraná e Wagner     (Jancarlos); Wellington Paulista e Kléber   
Técnico: Adílson Batista
Gols: Henrique, aos 21, e Kléber, aos 36 minutos do segundo tempo

Árbitro: Sergio Pezzota (ARG)

Renda: R$ 1.731.580,00

Público: 52.809 pagantes

Estádio: Morumbi, em São Paulo

cou complicada para o São Paulo aos 43 minutos, com a expulsão de Eduardo Costa após cometer a segunda falta violenta na partida. Muricy foi para o intervalo calado, assim como boa parte dos torcedores são-paulinos.

 

Na volta para o segundo tempo, Muricy percebeu seu erro e mudou o esquema. O time foi para o 4-4-2 com as entradas de Hernanes e Dagoberto nas vagas de Júnior César e Washington, respectivamente. Richarlyson, que fazia o papel de terceiro zagueiro, foi deslocado para a lateral-esquerda.

 

Apesar de ter maior volume ofensivo no segundo tempo, o São Paulo sentiu por ter um jogador a menos. Com isso, o clube cedeu diante ao nervosismo. O Cruzeiro aproveitou e matou o jogo aos 21 minutos. Henrique acertou um belo chute de fora da área no ângulo direito de Denis e cravou 1 a 0 no marcador.

 

Muricy ainda tentou uma última cartada ao colocar André Lima no lugar de Zé Luis. O time, porém, não teve forças. O Cruzeiro chegou ao segundo gol aos 36 minutos. André Dias colocou a mão na bola, cometeu pênalti e foi expulso. Kléber, ele mesmo, fez a cobrança e deixou o Morumbi em silêncio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.