São Paulo deixa vitória escapar no fim

Era previsível. O São Paulo não resistiu à pressão do Brasiliense e cedeu o empate por 3 a 3, hoje em Taguatinga. O time paulista - que vencia por 3 a 2 até o último lance do jogo - segue sem vencer fora de casa no Campeonato Brasileiro: é o 16.º colocado, com apenas 16 pontos e adia por mais uma rodada - contra o São Caetano, sábado, no Morumbi - a prometida reação no torneio. Logo aos 6 minutos, o São Paulo abriu o placar numa excelente jogada individual de Diego Tardelli - que acabou sendo sua única boa participação no confronto. O atacante recebeu de Cicinho na entrada da área, passou por três zagueiros e tocou na saída de Eduardo. Mas os paulistas não aproveitaram a vantagem e deram espaços para o rival - que está longe de ser veloz, mas, com jogadores experientes, pressionou em busca do empate. Aos 18, Márcio Careca deu sorte: bateu forte e contou com desvio em Fabão para enganar Rogério Ceni e igualar o marcador. Empolgado, o time da casa acelerou o ritmo e teve chance de marcar o segundo. Agnaldo foi derrubado por Fabão perto da área. Iranildo bateu a falta e acertou a trave. Mas a qualidade individual voltou a fazer a diferença para os visitantes. Aos 26, Souza arrancou, bateu em cima de Eduardo, mas Danilo aproveitou o rebote e mandou para as redes. O São Paulo trocava bons passes no meio-campo, chegava com relativa facilidade ao ataque, mas pecou no fundamento básico: finalizou muito pouco. E não fosse a classe de Rogério Ceni, poderia ter sido surpreendido. Aos 38, o goleiro fez ótima defesa, na cabeçada forte de Agnaldo. PRECISÃO - No intervalo, o técnico Paulo Autuori percebeu que o time não reagiu ao esquema com apenas dois zagueiros - vitorioso durante a Libertadores. Por isso, resolveu voltar à formação com três defensores: tirou Souza e mandou Edcarlos. Além de a estratégia ter dado certo, o plano foi facilitado pela já conhecida precisão de Rogério Ceni. Aos 6 minutos, Amoroso foi derrubado na entrada da área. O capitão do São Paulo bateu e Eduardo se esforçou, mas só conseguiu ver a bola na rede: foi o 37.º gol de falta de Rogério - o 53.º na carreira. Porém, o time de Paulo Autuori mais uma vez não soube tirar proveito da folga no placar. Apostou, sem sucesso, nos lançamentos longos e deu espaço para o adversário. Enquanto isso, Joel Santana notou que seu time não reagia e colocou Tiano e Alex Oliveira nos lugares dos inoperantes Róbston e Agnaldo. O trio de zagueiros são-paulinos voltou a falhar na eternamente temida jogada aérea. Marcelinho cobrou falta, Fabão perdeu o tempo da bola, Régis desviou para o gol e diminuiu o prejuízo. Mais na base da vontade, o Brasiliense buscou o empate até o fim. E no último lance, chegou lá. Marcelinho Carioca cruzou para Igor, que subiu nas costas de Cicinho e cabeceou para as redes, decretando a igualdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.