Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

São Paulo demite André Jardine e anuncia Cuca como treinador

Treinador vai assumir o clube assim que se recuperar de um problema de saúde

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2019 | 16h38

Durou cerca de quatro meses a passagem de André Jardine pelo comando do São Paulo. Um dia depois da eliminação do time na segunda fase preliminar da Copa Libertadores para o Talleres, após derrota por 2 a 0 na Argentina e o empate por 0 a 0 no Morumbi, a diretoria decidiu demitir o treinador. Raí, executivo de futebol do clube, anunciou que Cuca será o treinador com contrato até o fim de 2020 assim que se recuperar de um problema do coração - foi submetido a uma cirurgia em dezembro do ano passado. Até lá, o coordenador técnico Vagner Mancini fica na função. 

"A gente chegou à conclusão que tem de ter uma mudança de rumo. O André Jardine deixa o comando do São Paulo, acreditamos no potencial e talento dele, mas vai continuar ligado ao clube. Claro que vamos dar um tempo para ele, para aliviar a cabeça, pois trabalhou bastante, e passando esse período a gente vai definir qual a melhor função para ele, na qual se sinta bem", explicou Raí, ao lado do presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

"Foi unânime que o melhor nome é do Cuca, que será o novo treinador do São Paulo. Ele se mostrou motivado, já conversamos, mas está com um problema momentâneo e não poderá assumir agora. Ele chegará em alguns meses. Nesse período até que ele esteja bem, e a saúde é a prioridade, quem vai comandar a equipe é o Vagner Mancini, nosso coordenador técnico", comentou Raí.

O ex-auxiliar da comissão técnica fixa do clube foi efetivado oficialmente em 25 de novembro do ano passado. No entanto, ele já havia assumido o cargo de forma interina duas semanas antes, substituindo Diego Aguirre na reta final do Campeonato Brasileiro, levando o time a terminar o torneio em quinto lugar.

Durante seu período como treinador, André Jardine dirigiu o time em 15 jogos, conquistando quatro vitórias, três empates e oito derrotas, com aproveitamento de 33,3%. Foi o pior desempenho de um treinador à frente do São Paulo desde Doriva, que comandou o time em 2015.

Jardine, chegou ao São Paulo em 2015, para trabalhar nas categorias de base do São Paulo. E foi exatamente o bom desempenho nessa função que levou a diretoria a promovê-lo em março de 2018 para o cargo de auxiliar técnico fixo do time profissional, depois assumindo o comando da equipe. A falta de bons resultados, porém, o levou a ficar pouco tempo como técnico.

A equipe volta a treinar na tarde desta quinta-feira no CT da Barra Funda, quando iniciará a preparação para o clássico com o Corinthians, domingo, em Itaquera, pelo Campeonato Paulista. O São Paulo faz campanha irregular no Estadual, mas lidera o Grupo D, com nove pontos somados em seis rodadas.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.