Rubens Chiri / São Paulo FC
Rubens Chiri / São Paulo FC

São Paulo derrota o Fluminense de virada no Morumbi e reassume o segundo lugar

Depois de um mau primeiro tempo, quando saiu perdendo, time faz dois gols em oito minutos e no fim fecha a vitória com tranquilidade

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

06 de setembro de 2020 | 18h21

O São Paulo acordou no segundo tempo, venceu de virada o Fluminense por 3 a 1 neste domingo, no Morumbi, reabilitou-se no Campeonato Brasileiro e reassumiu o segundo lugar. Com o triunfo, o Tricolor paulista chegou aos 16 pontos, um atrás do Internacional, que em casa ficou no 2 a 2 com o Bahia. O time carioca chegou ao segundo jogo sem vitória e permanece com 11 pontos. Os dois primeiros gols do São Paulo foram marcados por jogadores que passaram pelo Fluminense, Brenner e Luciano.

Na quarta-feira, o São Paulo volta ao Morumbi para enfrentar o Red Bull Bragantino, às 19h15. O Fluminense faz às 21h30 o clássico com o Flamengo, no Maracanã.

O São Paulo descobriu rapidamente que o lado esquerdo do ataque, explorando a fragilidade do improvisado lateral-direito Calegari, era a melhor alternativa para tentar chegar ao gol. Por lá, criou três boas jogadas seguidas e, ao longo da etapa,  chegaria com mais perigo ao gol de Marcos Felipe.

Aos 11 minutos os paulistas perderam a primeira grande chance: após chute de Reinaldo que desviou na defesa, Igor Vinícius, dentro da área, pegou a bola com espaço para conclusão, mas bateu de esquerda para fora. O São Paulo tinha menor posse de bola que o Fluminense, mas era mais objetivo. No entanto, cometia erros na saída de bola e dava espaços na defesa que permitiam aos cariocas levar perigo a Tiago Volpi.

Isso aconteceu, por exemplo, aos 15 minutos. Nenê recebeu de Wellington Silva e bateu duas vezes para defesas de Volpi. Na sequência, Yuri chutou no rebote e Reinaldo desviou para escanteio. Yuri concluiria  contra o gol são-paulino logo depois, após bobeira na saída de bola, e Volpi pegou de novo.

Aos 26 minutos,  o VAR foi acionado pela primeira vez. Numa disputa de bola na área do Fluminense,  Igor Vinícius, que estava em velocidade,  atingiu Luccas Claro. Falta do são-paulino. Mas o  árbitro Paulo Roberto Alves, mesmo em posição privilegiada para ver o lance, marcou pênalti.

Por isso,  foi chamado pelo VAR. Foi à cabine assistir ao vídeo do lance, percebeu  equívoco reviu a marcação e decidiu dar cartão amarelo ao lateral do São Paulo. Naquela altura, o São Paulo já adiantara a marcação e não deixava o Flu sair jogando com qualidade. Mas pecava por ser pouco efetivo ao armar jogadas que poderiam resultar em conclusão contra o gol carioca.

Apesar disso, o Fluminense abriu o placar em outro erro da defesa dos paulistas. O goleiro Marcos Felipe deu um chutão para frete e Igor Vinícius foi enganado pelo quique da bola. Wellington Silva se aproveitou, penetrou e bateu de direita para marcar. O São Paulo quase empata no fim da etapa, em mais um lance pela esquerda, mas cuja conclusão sem querer. Dodi foi afastar e chutou a bola em Paulinho Bóia. A bola saiu com perigo.

Fernando Diniz estava visivelmente irritado ao fim do primeiro tempo e fez logo três mudança no intervalo: colocou Juanfran, Igor Gomes e Brenner nos lugares de Igor Vinícius, Hernanes e Paulo Bóia, respectivamente. O time acordou e o empate veio rapidamente. Justamente por intermédio de dois dos jogadores que entraram. Após escanteio cobrado por Igor Gomes, Léo desviou e Brenner se antecipou a Egídio para tocar para o gol, aos 4 minutos. Mas quatro minutos e veio a virada. Brenner fez grande jogada, entrou driblando e bateu na trave. No rebote, a bola sobrou para Luciano, que só teve o trabalho de tocar para o gol.

O São Paulo tomou conta do jogo, com velocidade e toques objetivos. E boa marcação. Poderia até ter ampliado, pois criou chances como a de Vitor Bueno, aos 23 minutos, em que a bola desviou na zaga e saiu a escanteio. Depois disso, porém, o São Paulo adotou uma proposta de jogo comum: recuou à espera de oportunidade de contra-atacar. Deixava o Fluminense tocar a bola e, fechado, não permitia aos cariocas ameaçaram.  A alternativa do Flu eram os cruzamentos para a área, mas o time não tinha centroavante.

Por isso, o São Paulo mantinha o controle do jogo e até criava chances para ampliar. Luciano só não marcou o terceiro aos 36 porque, de frente para o gol, chutou por cima. Mas aos 47, num lance em que a defesa do Fluminense dormiu, Vitor Bueno arriscou de fora da área e colocou no canto esquerdo de Marcos Felipe, garantindo a tranquila e merecida vitória do São Paulo.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO -  Tiago Volpi; Igor Vinícius (Juanfran), Diego Costa, Léo e Reinaldo; Tchê Tchê, Hernanes (Igor Gomes),  Gabriel Sara (Luan) e Vitor Bueno; Luciano (Bruno Alves) e Paulinho Bóia (Brenner). TÉCNICO - Fernando Diniz.

FLUMINENSE: Marcos Felipe; Calegari, Nino, Luccas Claro e Egídio; Yuri (Felipe Cardoso), Dodi, Nenê e Michel Araújo (Ganso); Wellington Silva (Luiz Henrique)e Marcos Paulo (Pacheco). TÉCNICO: Odair Hellmann.

GOLS: Wellington Silva, aos 39 minutos do primeiro tempo. Brenner, aos 4, Luciano, aos 8, e Vitor Bueno, aos 46 minutos do segundo tempo.

JUIZ: Paulo Roberto Alves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.