Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

São Paulo derrota o Joinville em jogo com protestos da torcida

Tricolor faz 3 a 0 em catarinenses sem se esforçar muito no Morumbi

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

23 de maio de 2015 | 20h37

Os protestos da torcida e o clima de instabilidade foram adversários mais complicados para o São Paulo do que propriamente o Joinville, neste sábado, em jogo pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O time do Morumbi soube ter calma para explorar a fraqueza do adversário, vencer por 3 a 0 em atuação sem brilho em casa e amenizar o momento complicado.

A vitória ajuda a resgatar a confiança, embora tenha mostrado os velhos problemas do time como a lentidão para criar e falta de intensidade para pressionar o adversário. À espera do técnico colombiano Juan Carlos Osorio, o clube tenta recomeçar depois da eliminação na Copa Libertadores e parte da torcida mostrou não ter muita paciência para isso.
Antes do jogo, um grupo de 100 integrantes de uma facção organizada protestou em frente ao estádio. O principal alvo das críticas foi o centroavante Luis Fabiano, chamado de "pipoqueiro" também dentro do Morumbi. No intervalo, ele disse não se importar com isso.

O Joinville foi o adversário ideal para se enfrentar em um ambiente tão desfavorável. O São Paulo certamente esperava uma postura cautelosa dos catarinenses, mas ficou surpreso com o espaço para criar. A defesa catarinense dava tantos espaços que nos 15 primeiros minutos o São Paulo entrou na área pelo menos quatro vezes. Em uma das tentativas, Bruno colocou na cabeça de Dória. O zagueiro testou firme para fazer 1 a 0, logo aos 11 minutos.

A facilidade, o placar favorável e o Morumbi vazio (apesar da promoção de ingressos) logo acomodaram o São Paulo. Só era preciso ter mais cuidado quando o veterano meia Marcelinho Paraíba era acionado. De resto, o Joinville era inofensivo e mal passava do meio de campo.

Para piorar a situação de Luis Fabiano, tudo deu errado para ele neste sábado. O atacante ganhou a chance de ser titular, mas desperdiçou todas as jogadas que teve e saiu no intervalo. Fica cada vez mais difícil apostar na renovação do contrato dele. O vínculo atual dele com o clube termina em dezembro.
O substituto Alexandre Pato entrou e foi bem melhor do que o camisa 9 ao dar a assistência para o gol que definiu o jogo. O meia Michel Bastos, que neste sábado renovou contrato com o clube até 2017, chutou forte para fazer 2 a 0.
Depois disso, o jogo virou praticamente um treino. A vantagem deixou tudo ainda mais confortável para o São Paulo e bem complicado para o Joinville arriscar qualquer reação. Os minutos protocolares restantes ainda serviram para Alexandre Pato marcar o terceiro e na comemoração tirar a camisa e esbravejar, como se quisesse mostrar que realmente é ele o merecedor da vaga de titular no ataque são-paulino.
FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 3 x 0 JOINVILLE
SÃO PAULO - Rogério Ceni; Bruno (Hudson), Paulo Miranda, Dória e Reinaldo; Denilson, Souza, Thiago Mendes, Paulo Henrique Ganso e Michel Bastos (João Paulo); Luis Fabiano (Alexandre Pato). Técnico: Milton Cruz.
JOINVILLE - Oliveira; Mário Sérgio, Bruno Aguiar, Guti e Rogério; Naldo, Anselmo, Marcelo Costa e William Henrique (William Popp); Marcelinho Paraíba (Augusto César) e Kempes (Jael). Técnico: Hemerson Maria.
GOLS - Dória, aos 11 minutos do primeiro tempo; Michel Bastos, aos 13, e Alexandre Pato, aos 40 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS - Thiago Mendes e Alexandre Pato (São Paulo).
ÁRBITRO - Wagner Reway (MT).
RENDA - R$ 396.310,00.
PÚBLICO - 12.740 pagantes.
LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.