Rubens Chiri/ São Paulo
Rubens Chiri/ São Paulo

São Paulo desafia sina de mata-matas para avançar na Libertadores

Desde o seu último título, a Sul-Americana de 2012, o time caiu 19 vezes em torneios eliminatórios

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 04h30

O São Paulo tem dura missão na noite desta quarta. Após perder por 2 a 0 do Talleres na Argentina, semana passada, precisa no mínimo devolver o placar para tentar, nos pênaltis, evitar uma eliminação precoce na Libertadores. O jogo começa às 21h30 (horário de Brasília) e será no Morumbi.

Para o time se classificar sem precisar enfrentar o drama das penalidades, só uma vitória por pelo menos três gols de vantagem. Os argentinos jogam até por derrota por um gol de diferença para ir à terceira fase.

Apesar da sintonia de sua torcida com a Libertadores e de o duelo decisivo marcar justamente a reabertura do estádio, que estava fechado desde o fim do último Brasileirão para reformas, um fantasma que assombra o São Paulo pode estragar a festa: seu desempenho de 2012 para cá em jogos eliminatórios.

Naquele ano, o clube tricolor conquistou seu último título, a Copa Sul-Americana, cuja final foi disputada no dia 12 de dezembro, no Morumbi. O jejum que viria depois concentra nada menos do que 19 eliminações em torneios com confrontos de mata-mata, sem contar as campanhas nos pontos corridos do Campeonato Brasileiro.

Os fracassos se dividem entre seis quedas no Paulista, cinco na Copa do Brasil, quatro na Sul-Americana, três na Libertadores e uma Recopa Sul-Americana – disputada em dois jogos contra o Corinthians, em 2013.

Curioso é que, apesar das várias participações em competições continentais, apenas quatro das eliminações se deram diante de times estrangeiros. O Colón, da Argentina, é o responsável pela mais recente, na segunda fase da Sul-Americana de 2018. Um ano antes, outra equipe do país, o Defensa y Justicia, impôs queda ainda mais precoce aos brasileiros, na primeira fase. Já o Atlético Nacional, da Colômbia, tirou o São Paulo do páreo em duas semifinais – na Libertadores de 2016 e na Sul-Americana de 2014.

Do Brasil, o maior carrasco no período foi o Corinthians. Fora a já citada final da Recopa, despachou o arquirrival em três semifinais estaduais (2018, 2017 e 2013).

Jardine pode ser o nono técnico do São Paulo a falhar

Se André Jardine falhar, será o nono treinador do São Paulo neste espaço de tempo a ficar pelo caminho em mata-matas. Muricy Ramalho era o técnico em quatro oportunidades, mas tinha crédito pelo tricampeonato brasileiro conquistado entre 2006 e 2008.

Ney Franco foi derrotado três vezes, assim como Rogério Ceni e Diego Aguirre, mas também tem atenuante: era o comandante da equipe campeã da Sul-Americana em 2012. Completam a lista Edgardo Bauza e Milton Cruz (interino), com duas eliminações, além de Ricardo Gomes e Doriva (uma cada).

Jardine sabe que uma eliminação hoje provavelmente significará o fim da linha para ele, pressionado por resultados ruins e por ainda não ter dado uma cara a um elenco reforçado por sete jogadores nesta temporada. "O time vai entrar aguerrido, concentrado, e vamos fazer nossa melhor partida do ano, não tenho dúvida", prometeu Jardine. Só assim para evitar mais um fiasco.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.