São Paulo descarta rebater Corinthians por acusações de 'corpo mole'

Clube do Morumbi considera polêmica encerrada depois de dirigente do rival minimizar o caso

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2014 | 14h56

SÃO PAULO - A diretoria do São Paulo não deve tomar atitudes como resposta às acusações feitas pelos corintianos Mano Menezes e Romarinho de que o time do Morumbi entregou o jogo para o Ituano com o intuito de desclassificar o rival do Campeonato Paulista. O Tricolor considerou a polêmica encerrada depois do gerente de futebol do Corinthians, Edu Gaspar, afirmar nesta segunda-feira que a derrota não foi proposital.

O São Paulo dispensa a ideia de entrar com representação na Federação Paulista de Futebol (FPF) ou de emitir comunicado oficial como contraponto às acusações. As declarações mais amenas do gerente de futebol corintiano diminuíram a polêmica. "O problema foi o próprio Corinthians. Temos de assumir nossas responsabilidades, saber onde erramos e não repetir. Está claro onde deixamos a desejar, tivemos derrotas que não queríamos e está aí o problema", disse o dirigente.

No domingo, porém, os corintianos foram mais agressivos nas declarações. Ao sair de campo depois do empate sem gols com o Penapolense, resultado que combinado com a derrota do São Paulo desclassificou a equipe, o atacante Romarinho acusou o Tricolor de ter perdido de propósito. "Todo mundo sabe que a derrota do São Paulo foi armada. A gente lamenta muito", comentou. O técnico Mano Menezes também fez insinuações. "Cada um sabe a consciência que coloca no travesseiro ao dormir".

Segundo Edu Gaspar, as declarações fortes foram ditas em um momento em que o elenco estava de "cabeça quente". "No calor do jogo, os atletas falam coisas que podem não ser corretas. O mesmo me refiro ao que o treinador comentou após o empate e derrota do São Paulo. 100% da culpa pela eliminação do Paulistão é do Corinthians. Não podemos culpar ninguém", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.