São Paulo diverge sobre culpados

O São Paulo teve seis jogadores expulsos nos dez jogos que realizou após a final da Copa Libertadores. Cinco deles saíram de campo no primeiro tempo. Se há unanimidade sobre o prejuízo que o time vem sofrendo, há divergências sobre as causas de tantas expulsões.Amoroso e Danilo, irritados, não criticaram os árbitros. Reclamaram dos próprios companheiros. "Quando o São Paulo está com onze, consegue jogar bem, mas com dez, é muito difícil. Isso precisa parar", diz Amoroso. "Está virando rotina ficar com dez. Para começar a reação, nós temos é de terminar com onze as partidas."Para Danilo, a expulsão de Alex foi fundamental para a derrota de sábado contra o Atlético-PR (4 a 2). "Precisamos reorganizar o time e fazer mudanças táticas. Tudo mudou e foi difícil jogar", diz o meia.Lugano voltou a falar da arbitragem. "Se fosse alguém de outro país, o São Paulo não teria terminado com dez. Estão apitando muito mal contra o nosso time. Não dá para dizer que é coincidência."Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol, avalizou as críticas de Lugano. "Isso mostra que a gente estava certo em exigir um árbitro estrangeiro na final da Libertadores", afirma. Para ele, é muito estranho tudo o que vem acontecendo com o São Paulo. "Contra nós, apitam tudo. Uma falta dura é expulsão. Uma falta simples é pênalti. E não dão uma falta perto da área porque sabem que o Rogério Ceni é um ótimo cobrador. Tudo está muito estranho."Ele atacou bastante o procedimento de Celso Petraglia, presidente de honra do Atlético. "Ele agrediu o nosso médico, José Sanchez. Mas não é de se estranhar. Com o currículo que ele tem, nada é surpresa. Não sei por que ele está comemorando tanto. A Libertadores é nossa e nenhum dos dois times vai ser campeão brasileiro. Se ainda estão com vontade de Libertadores, a gente manda a taça para eles olharem", provocou o cartola.Paulo Autuori preferiu ver coisas boas. "O Christian estreou e fez um gol. E o Leandro Bomfim teve uma boa atuação." Na quarta-feira, às 20h30, o São Paulo enfrenta o Fluminense, no Morumbi, na abertura do segundo turno. Não terá Alex, expulso. Será o primeiro dos 21 jogos que podem tirar o São Paulo do inferno em que se meteu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.