São Paulo diz que apostou na qualidade

Ano novo, time velho. O São Paulo começa 2005 como o clube paulista que fez menos contratações. Por enquanto, foram só três. Mas o presidente Marcelo Portugal Gouvêa não vê motivo para pânico. Ele até ironiza o rival Corinthians ("que tem parceiro rico e só contratou quatro reforços") e também quem diz que a diretoria são-paulina tem se esforçado pouco para contratar reforços.Marcelo Portugal Gouvêa prefere ressaltar um "aspecto positivo" que, segundo ele, tem sido ignorado pela imprensa: "O São Paulo é o único clube que manteve sua base. Não perdemos nenhum de nossos titulares. E ainda trouxemos jogadores de muita qualidade".Os atletas em questão são os volantes Mineiro e Josué, além do meia-atacante Falcão, que foram apresentados e fizeram nesta sexta-feira mesmo o primeiro treino pelo São Paulo. "Só não vou dizer que esse será nosso meio-campo (titular) porque se o Leão ouvir isso, vai pensar que estou querendo escalar o time", brincou o presidente.Apesar de insistir que estava buscando "qualidade, e não quantidade", o dirigente afirmou que segue atrás de um atacante.Admitiu que as conversas com Luizão continuam e que Fabrício Carvalho é um sonho que ainda pode se tornar realidade."Conversamos com o São Caetano e o Fabrício Carvalho tem proposta do exterior. Enquanto isso não se concretizar, vamos continuar interessados", disse Marcelo Portugal Gouvêa. "E com relação ao Luizão, as etapas estão sendo vencidas. Creio que até a semana que vem teremos uma definição se ele será ou não jogador do São Paulo."O presidente aproveitou ainda para negar o boato de que o atacante Reinaldo, atualmente no Paris Saint-Germain, da França, pudesse voltar ao clube. Um dos nomes cotados para reforçar o ataque são-paulino é o do atacante Marcinho, que pertence 75% ao São Caetano e 25% ao Paulista, de Jundiaí. "O Marcinho se mostrou interessado em jogar no São Paulo e, com o Paulista, nós acertaríamos numa boa. Mas o pessoal do São Caetano não quis conversa", explicou o superintendente de futebol Marco Aurélio Cunha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.