Érico Leonan / São Paulo
Érico Leonan / São Paulo

São Paulo diz que Daniel Alves não joga mais pelo clube após jogador não se reapresentar por dívidas

Decisão é comunicada pelo diretor de futebol Carlos Belmonte em vídeo publicado nas redes sociais do time nesta sexta-feira; clube deve ao atleta R$ 11 milhões

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2021 | 13h23

A diretoria do São Paulo informou nesta sexta-feira que Daniel Alves não joga mais pelo clube. O lateral estava com a seleção brasileira para a rodada tripla das Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar e não se reapresentou após o fim dos compromissos com o time de Tite. A equipe paulista deve salários referentes ao ano de 2020 ao atleta e informou ainda que apresentou uma proposta na última semana para resolver a pendência. São R$ 11 millhões.

Os representantes de Daniel Alves rejeitaram a proposta apresentada pelo São Paulo e, por isso, comunicaram à diretoria tricolor que o jogador não se apresentaria para a sequência da temporada no CT da Barra Funda. Ao lado de Rui Costa e Muricy Ramalho, o diretor de futebol Carlos Belmonte disse que as negociações continuarão agora na esfera jurídica.

A decisão foi comunicada ao técnico Hernán Crespo, que sabe que não terá mais à disposição um dos principais nomes do elenco tricolor, o camisa 10. "Vale sempre lembrar que o São Paulo é mais importante do que todos nós. Nós trabalhamos a favor da instituição. Ninguém é maior do que o São Paulo Futebol Clube", disse Belmonte.

No mês passado, pouco após ser campeão olímpico em Tóquio, Daniel Alves fez críticas ao clube por conta dos pagamentos atrasados que já ultrapassam os R$ 10 milhões. O agente do lateral, Fransérgio Bastos, informou à época que as partes se reuniram em abril e que o São Paulo prometeu quitar à divida entre junho e julho, o que não aconteceu. A diretoria afirmou que nunca fez promessas ao experiente jogador de 38 anos.

Contratado como estrela em 2019 e com direito à festa no dia da apresentação, Daniel Alves era o 'rosto' de um projeto do clube paulista, que almejava pagar parte dos vencimentos do atleta explorando sua imagem em acordos com parceiros comerciais. Dois anos depois, a ideia são-paulina não se tornou realidade. Quem o contratou foi o presidente Leco, que passou o bastão depois para Julio Casares.

Pelo São Paulo, o jogador, que teve grande carreira na Europa, passando por Sevilha, Barcelona, PSG e Juventus, disputou 95 partidas. Marcou nove gols e deu 14 assistências. O maior vencedor de títulos da história do futebol se despede do Morumbi com apenas uma conquista, a do Paulistão 2021. Daniel não se pronunciou sobre o episódio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.