Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Ciro Campos e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2015 | 08h00

São Paulo e Corinthians se enfrentam pela quarta vez no ano, neste domingo, às 16h, no Morumbi. Se no primeiro semestre a Libertadores tratou de elevar a temperatura dos clássicos – até mesmo quando se enfrentaram pelo Campeonato Paulista – o que move as duas equipe nesta tarde é o desafio de se autoafirmar no Campeonato Brasileiro.

O São Paulo precisa dos três pontos para não perder o bloco dos líderes de vista e elevar o moral da equipe, instável pela falta de uma boa sequência de vitórias. Já o Corinthians, mesmo invicto há oito rodadas, vê no jogo deste domingo a chance de embalar de vez no Nacional. O time amarga um jejum de cinco clássicos seguidos sem ganhar e perdeu os últimos três confronto diante de Santos, Palmeiras e São Paulo.

Por isso, um triunfo neste domingo é visto como fundamental para o time poder caminhar com mais confiança no campeonato. O Corinthians ainda tem a chance de assumir a liderança do Brasileiro em caso de tropeço do Atlético-MG diante do Goiás no Serra Dourada.

Tite, inclusive, destaca o peso de uma vitória neste domingo. O Corinthians se destacou nas últimas temporadas pelo ótimo desempenho diante dos seus maiores rivais no Estado e chegou a ficar mais de um ano sem ser derrotado, entre 9 de março de 2014 e 22 de abril deste ano.

“É diferente. Procuro sempre respeitar o outro lado, mas sei a dimensão que os clássicos têm. Em termos de pontuação no Campeonato Brasileiro, é igual aos outros jogos, mas a repercussão é diferente”, diz Tite.

No São Paulo, Juan Carlos Osorio já projeta os efeitos de uma vitória diante do Corinthians e a chance de arrancar nas duas próximas rodadas, quando encara Figueirense e Goiás, dois times que lutam contra o rebaixamento. “O jogo é decisivo para a confiança de todos. Em um torneio tão longo, começar a ter uma sequência de bons resultados muda a sua classificação”, disse.

O treinador teve dez dias para preparar o time e contou ter cobrado bastante os jogadores para transformar esse recesso em evolução. Osorio fez quatro dias de treinos fechados e vai apostar no apoio dos laterais e na movimentação de Centurión para superar a melhor defesa do campeonato.

“Vejo o jogo como uma oportunidade. Vamos competir contra um grande time, uma grande defesa e um ótimo treinador”, comentou.

A liberação para Luis Fabiano jogar diminui a preocupação com o ataque, que já não vai ter Alexandre Pato. No sistema defensivo, Osorio deve novamente apostar em Lucão como volante e promover a estreia do zagueiro Luiz Eduardo.

O Corinthians vai tentar tirar proveito do desentrosamento da zaga do São Paulo com jogadas em velocidade de Malcom e Luciano. Os laterais Fagner e Uendel deverão ficarão mais presos na defesa e, assim, a dupla de atacantes não precisará voltar tanto para ajudar na marcação.

Outra arma da equipe é Elias, que terá liberdade para atacar para pegar o adversário desprotegido. Nas bolas paradas, Tite confia na boa fase de Jadson, artilheiro da equipe no campeonato com seis gols.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Luiz Eduardo e Carlinhos; Lucão, Hudson, Ganso e Michel Bastos; Centurión e Luis Fabiano. Técnico: Juan Carlos Osorio

CORINTHIANS

Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Uendel; Bruno Henrique, Elias, Renato Augusto e Jadson; Malcom e Luciano. Técnico: Tite

Juiz: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Local: Morumbi

Horário: 16h

Transmissão: Pay-per-view

Encontrou algum erro? Entre em contato

São Paulo e Corinthians definem ataques para o clássico de última hora

Luis Fabiano e Luciano confirmaram vaga de titular às vésperas

Ciro Campos, Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2015 | 07h00

São Paulo e Corinthians tiveram dez dias sem jogo para se prepararem exclusivamente para o clássico deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Mas o ajuste principal para o confronto veio de última hora, e somente na antevéspera os técnicos definiram os atacantes titulares.

Luis Fabiano e Luciano tiveram presença confirmada apenas na tarde de sexta-feira, por diferentes motivos. O são-paulino precisou de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para ter condições de jogo. O departamento jurídico do clube entrou na quarta-feira com um pedido de efeito suspensivo da punição aplicada ao atacante por desrespeito ao árbitro no jogo com o Sport e a liberação veio após o treino de sexta-feira, o penúltimo antes do clássico.

Osorio garantiu ter escalado o atacante como titular ao longo dos quatro treinos secretos que comandou durante a semana, e confia que a indefinição não tenha atrapalhado Luis Fabiano nos últimos dias. "Ele me falou do quanto desejava e tem vontade de jogar contra o Corinthians", disse o colombiano.

A presença dele compensa o temor provocado pela ausência de Pato por questões contratuais, e tranquiliza o torcedor pelo bom retrospecto de Luis Fabiano contra o rival. O Corinthians é o segundo time que mais levou gols dele, atrás apenas do Vasco. Foram nove, incluindo um no último encontro, ainda pela Libertadores.

Do lado do Corinthians, Luciano ganhou a vaga de Vagner Love por deficiência técnica do companheiro. Love foi titular nos últimos nove jogos da equipe, mas não conseguiu aproveitar a sequência e já amarga seis partidas sem marcar. Até nos treinos Love vinha mal. Por isso, Tite resolveu dar uma chance para Luciano.

A mudança, segundo o treinador, deixa o jogo do Corinthians mais vertical. Tite costuma dizer que Luciano finaliza muito bem e "cheira gol". Vice-artilheiro do Corinthians em 2014 com 15 gols, nesta temporada ele tem sofrido com lesões e fez apenas três. Com fama de marcar somente no segundo tempo, quando sai do banco de reservas, seu maior desafio a partir de hoje será jogar bem desde o início. Acostumado a jogar pelas beiradas do campo, hoje vai atuar mais centralizado, entre os zagueiros.

A melhor fase de Luciano este ano foi com a seleção no Pan de Toronto. O atacante soube aproveitar o baixíssimo nível do torneio e foi o artilheiro da competição com cinco gols em quatro partidas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.