Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

São Paulo e Corinthians duelam em busca de novo protagonismo

Equipes chegam à decisão depois de superarem desconfiança no início da temporada e com técnicos acostumados a vencer

João Prata e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2019 | 04h30

Depois de uma semana em que as notícias extracampo repercutiram mais do que os acontecimentos nos treinos, chegou o momento de São Paulo e Corinthians trazerem de volta as atenções para o que vai ocorrer no gramado do Morumbi hoje, às 16h, no primeiro jogo da final do Campeonato Paulista.

O clássico colocará frente a frente equipes que também foram chamando a tenção de seus torcedores aos poucos e que precisaram se reinventar para conseguir um lugar na decisão. O Corinthians evoluiu antes, mas viu o rival crescer na fase de mata-mata do campeonato, graças ao talento dos garotos. Isso tudo faz parte dos ingredientes de uma final entre os dois times de maior torcida no estado e eternos rivais.

Depois de lutar contra o rebaixamento no Brasileirão no ano anterior, o presidente Andrés Sanchez bancou o retorno de Fábio Carille para o Corinthians e trouxe mais 11 reforços. O novo treinador foi fazendo testes ao longo do torneio e garantiu a classificação da primeira fase na liderança de sua chave com tranquilidade.

Na sequência, o time alvinegro oscilou com fracas atuações nas quartas de final e na semifinal. Contra Ferroviária e Santos precisou dos pênaltis para seguir adiante no Paulistão. Um dos atletas mais experientes do elenco, o lateral Fagner, presente nos títulos estaduais de 2017 e do ano passado, minimizou o desgaste emocional da equipe por causa dessas dificuldades recentes.

“Nesses momentos é preciso ter frieza e tranquilidade. O desgaste psicológico existe e é normal. Vamos tentar agora garantir o resultado mais cedo, tomar a decisão correta, para ficar mais tranquilos”, disse.

Quem costuma transmitir frieza e tranquilidade ao elenco é Carille. Apesar de ser técnico de time profissional há apenas três anos, ele vem se consolidando como especialista em jogos importantes. Em 20 disputas de mata-mata, por exemplo, são 18 classificações. Nos clássicos o comandante também coleciona números positivos. São 15 vitórias, cinco empates e apenas quatro derrotas.

Contra o São Paulo, os números de Carille são também impressionantes. Ele só foi superado uma vez. São cinco triunfos e quatro empates quando enfrenta o adversário. Se mantiver a escrita ele entrará para a história como o técnico que levou o Corinthians ao tricampeonato consecutivo, feito que o clube não alcança há 80 anos. “Ser campeão é importante para todo treinador. O Carille tem a oportunidade de ser tricampeão seguido. Por ser treinador jovem, sabe do peso de deixar o nome na história do clube”, comentou Fagner.

Do outro lado, o tricolor começou o ano cheio de expectativa, com um elenco experiente de olho na Libertadores. Mas veio a eliminação vexatória para o Talleres. A diretoria tirou André Jardine do cargo, negociou Diego Souza e apostou na contratação do técnico Cuca. Para além disso, apostou em alguns garotos formados nas categorias de base. A fórmula acabou dando certo e levou o time para a final do Paulistão. 

“Para esse primeiro jogo, temos de dividir as finais em duas partes, e acho que não tem favorito. Temos a força do nosso torcedor, mas o Corinthians tem a experiência, é um time maduro e o atual bicampeão. Dependendo do que acontecer pode haver um favoritismo na segunda partida”, disse o técnico Cuca.

Ele voltou ao São Paulo após anos longe do Morumbi e chegou em um momento decisivo. Experiente, o técnico que teve problemas cardíacos recentemente deixou o ambiente mais leve e passou confiança aos atletas. Isso contribuiu no bom ambiente. “O tempo vai passando e automaticamente você vai ficando mais experiente. Lógico que sou bastante participativo e vibrante, mas estou no começo de trabalho e tenho de passar para esse time o direito de errar, para não causar neles uma trava. É questão de transmitir confiança”, revelou.

Cuca sabe que seus comandados têm fome de vitória e querem fazer o São Paulo voltar a ser campeão, coisa que não acontece desde o título da Copa Sul-Americana, em 2012. “Temos time jovem e quanto menos pressão colocarmos nos meninos, melhor. Temos oportunidade de ser campeão e vamos em busca disso.”

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO X CORINTHIANS

SÃO PAULO - Tiago Volpi; Hudson, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Luan, Liziero e Igor Gomes; Antony, Everton Felipe (Carneiro) e Everton. Técnico: Cuca.

CORINTHIANS - Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Ramiro (Pedrinho), Gustagol e Clayson. Técnico: Fábio Carille.

Juiz: Luiz Flávio de Oliveira. 

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Horário: 16h. 

TV: Globo e SporTV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.