São Paulo e Jundiaí: empate de 6 gols

O São Paulo teve o jogo na mão mas desperdiçou uma grande chance de vencer o Etti Jundiaí, hoje à tarde em Jundiaí, na estréia dos dois times na Liga Rio-São Paulo. Após marcar 2 a 0 no primeiro tempo, a equipe comandada por Nelsinho se complicou na etapa final e não teve forças para resistir à pressão do adversário, que chegou ao empate por 3 a 3. Apesar do resultado, os 45 minutos inciais refletiram uma visível diferença técnica entre São Paulo e Etti Jundiaí. De um lado, um time que sabia o que queria, com jogadores experientes e técnicos. Do outro, um grupo de jovens e desconhecidos atemorizados, que tinham no meia Marcinho o único expoente de criatividade. Não foi difícil para o São Paulo estabelecer 2 a 0. Mas o trabalho da equipe da capital foi facilitado pelo desprezo do técnico do Etti Jundiaí, Giba, com Kaká. O meia são-paulino não recebeu marcação especial e passeou no gramado do Jaime Cintra, sendo responsável pelas principais jogadas no primeiro tempo. Curiosamente, no momento em que o Etti ameaçava equilibrar as ações, levou o primeiro gol. Aos 12 minutos, uma jogada de Kaká colocou Reinaldo na cara de gol. O atacante foi derrubado por Renato Carioca dentro da área. O próprio Reinaldo cobrou para abrir o placar. Por mais que o Etti trabalhasse bem a bola em sua intermediária, praticamente todas as finalizações partiam da faixa esquerda do campo com Édson. Só que o lateral, apesar de voluntarioso, errou praticamente todos os cruzamentos, facilitando o trabalho de Émerson e Júlio Santos. A única emoção da torcida local em todo o primeiro tempo aconteceu aos 15 minutos, quando Marcinho chutou da intermediária e Rogério fez uma grande defesa no canto direito. A partir de então, com Kaká tendo liberdade para armar, o São Paulo passou a criar chances na sequência. Mas a dupla de ataque formada por Sandro Hiroshi e Reinaldo, que hoje atuou junta pela primeira vez, não se entendia. Com a vitória parcial, Nelsinho foi inteligente e adiantou Kaká quando a equipe não tinha a bola. Com isso, o time passou a contra-atacar com três jogadores. A consequência foi imediata. O São Paulo marcou seu segundo gol aos 33 minutos com Reinaldo, após cruzamento de Beletti da direita. O jogo estava praticamente definido mas Fábio Simplício quase colocou tudo a perder. Em uma jogada na internediária, derrubou Marcinho sem necessidade e foi expulso aos 39 minutos. O Etti voltou remodelado para o segundo tempo. O atacante Piva, principal reforço para a disputa da Liga Rio-São Paulo, foi substituído por Nenê. O São Paulo recuou e atraiu o time do interior para o seu campo. Aos três minutos, novamente Marcinho arriscou de fora da área, mas Rogério voltou a salvar. O jogo ganhou ainda mais dramaticidade seis minutos depois, quando Gustavo Nery e Marcinho foram expulsos após se agredirem. De tanto pressionar, o Etti diminuiu aos 14 minutos com Nenê, aproveitando rebote de jogada executada por Jean Carlo pela esquerda. Sentindo que corria riscos, Nelsinho realizou a substituição que poderia ter definido o jogo. Tirou Adriano, visivelmente cansado, e colocou Souza. O São Paulo voltou a respirar e a criar chances no contra-ataque. Em uma delas, Reinaldo foi derrubado por Thiago na área.Pênalti marcado e convertido por Kaká aos 19 minutos. O gol esfriou temporariamente o ímpeto jundiaiense e tranquilizou o São Paulo. Mas Júlio Santos voltou a colocar emoção na partida derrubando Jean Carlo na área aos 31 minutos. O experiente Wagner Mancini cobrou o pênalti com categoria e fez o segundo do Etti. Três minutos depois, o zagueiro Tiago empatou aproveitando cruzamento da esquerda. Nelsinho deixou o campo lamentando o resultado e criticando a arbitragem. "O árbitro comprometeu todo nosso trabalho".

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2002 | 18h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.