São Paulo e Palmeiras terão armas diferentes para o clássico

Muricy Ramalho coloca em campo um esquema mais cauteloso; já Luxemburgo mantém padrão ofensivo

Juliano Costa e Marcius Azevedo - Jornal da Tarde,

12 de abril de 2008 | 17h20

Dez entre dez personagens de São Paulo e Palmeiras duvidam que o jogo deste domingo, às 16 horas (com acompanhamento do estadao.com.br), terá tantos gols quanto aquela vitória do time alviverde por 4 a 1 na primeira fase do Paulistão, em Ribeirão Preto. A previsão de jogadores e treinadores é que seja um jogo mais truncado, estudado entre as equipes, que deixariam para apostar tudo na segunda partida da semifinal, domingo que vem no Palestra Itália. Veja também: O Palestra Itália tem condições de sediar o segundo jogo da semifinal? Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Serviço: para quem vai ao jogo no Morumbi  Feliz da vida, Vanderlei Luxemburgo aposta em título Instabilidade pode atrapalhar trabalho de Muricy Ramalho Quem tem mais a perder neste domingo é o São Paulo, que vive um momento instável, com brigas no elenco e desfalques por lesão e suspensão. Muricy Ramalho teve problemas para escalar a equipe, principalmente por falta de tempo - o time jogou quinta-feira no Chile, chegou na sexta à noite e fez apenas um treino leve na tarde deste sábado. Por isso mesmo, deve escalar um São Paulo mais cauteloso, com três volantes: Hernanes, Richarlyson e Zé Luís. Nas laterais, Joílson e Júnior desceriam apenas "na boa". O ataque ficaria com Dagoberto e Adriano, tendo Jorge Wagner na armação. Já o Palmeiras de Vanderlei Luxemburgo teve a semana inteira para treinar. O técnico vai manter o padrão ofensivo que deu ao time nas últimas rodadas, com dois volantes, dois meias e dois atacantes, auxiliados ainda pelos ótimos laterais Elder Granja e Leandro. A variação de jogo do Palmeiras é apontada por Luxa como a maior virtude de sua equipe. Já o São Paulo é tido como um time de uma nota só - o jogo aéreo de Jorge Wagner com Adriano. "Se não conseguirmos marcar essa jogada, não será falha nossa, mas mérito do adversário", diz Luxemburgo, que reconhece: "O jogo aéreo deles é muito forte". PC NO COMANDO São PauloRogério Ceni; Joilson, André Dias, Miranda e Richarlyson; Zé Luis, Hernanes, Júnior e Jorge Wagner; Dagoberto e AdrianoTécnico: Muricy RamalhoPalmeirasMarcos; Élder Granja, Gustavo, Henrique e Leandro; Pierre, Léo Lima, Diego Souza e Valdivia; Kléber e Alex MineiroTécnico: Vanderlei LuxemburgoÁrbitro: Paulo César de Oliveira (Fifa-SP)Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP)Horário: 16 horasRádio: Eldorado/ESPN - AM 700 KhzTV: Globo e BandQuem apita o jogo é Paulo César de Oliveira, de 34 anos, árbitro da elite do futebol paulista desde os 23. A escolha dele agradou palmeirenses e irritou são-paulinos. A maior preocupação de Muricy & Cia. é com o aspecto disciplinar. Enquanto o Palmeiras tem só dois jogadores pendurados com dois cartões amarelos (Pierre e Martinez), o São Paulo tem oito (Rogério Ceni, Zé Luís, André Dias, Júnior, Joílson, Richarlyson, Hernanes e Jorge Wagner). "Estão falando por aí que vou mandar o Valdivia forçar o cartão dos adversários, mas não tem nada disso, não", diz Vanderlei Luxemburgo. ESQUEMA ESPECIALA Companhia de Engenharia de Tráfego vai monitorar o trânsito nas imediações do estádio. A CET tentará facilitar a chegada dos torcedores, acompanhar o estacionamento dos veículos particulares e ônibus, bem como evitar irregularidades. Também vai existir um esquema para a saída do público.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasSão Paulo FCPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.